Banca & Finanças Eurogrupo vai analisar legalidade do resgate ao Monte dei Paschi

Eurogrupo vai analisar legalidade do resgate ao Monte dei Paschi

Os ministros das Finanças do euro têm na sua agenda preliminar para a reunião de dia 26 a análise ao mecanismo criado em Itália para socorrer a banca e a sua aplicação específica no socorro ao banco mais antigo do mundo ainda em operação.
Eurogrupo vai analisar legalidade do resgate ao Monte dei Paschi
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 12 de janeiro de 2017 às 23:19

A compatibilidade do plano de resgate ao terceiro maior banco italiano com as regras de funcionamento da União Europeia vai ser analisada no próximo dia 26 pelos ministros das Finanças da Zona Euro, acrescentando dúvidas ao sucesso da operação.

"O Eurogrupo vai discutir a compatibilidade com as regras comunitárias do plano italiano para salvar bancos," afirmou à Reuters fonte oficial da União Europeia em Bruxelas esta quinta-feira, 12 de Janeiro. O assunto consta da agenda preliminar dos ministros das Finanças do bloco da moeda única, acrescentou a mesma fonte. 


Em cima da mesa vai estar o esquema colocado em prática pelo governo liderado por Paolo Gentiloni  em Dezembro para socorrer o Monte dei Paschi depois de a instituição não ter conseguido concretizar o aumento de capital de 5.000 milhões de euros com que se tinha comprometido aquando dos últimos testes de stress à banca. 

Em causa está a utilização de parte do fundo de 20 mil milhões de euros desenhado por Roma - e ainda pendente de autorização comunitária - para resgatar instituições financeiras, aplicando perdas mais suaves a accionistas e obrigacionistas de retalho do que uma medida de resolução "clássica".

A 27 de Dezembro, quatro dias antes do fim do prazo para a recapitalização, o Banco Central Europeu veio rever em alta as necessidades de capital da instituição, que passaram para cerca de 8,8 mil milhões de euros. Esse valor significaria que o fundo em causa deverá entrar com 6,3 mil milhões de euros. 






A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
César Mouro 13.01.2017

Há 10 anos que comprei acções a 3,00€, vários aumentos de capital, desde o abutre jardim Gonçalves! Será que vale apena mais esta vez? Tento como pequeno accionista minimizar os prejuízos! O jardim Gonçalves, tem uma reforma de 170,000€ mensais! Cambada de incompetentes que nos governam!

Anónimo 13.01.2017

Há cerca de 10 anos, já do tempo do abutre jardim Gonçalves, comprei acções a 3,00€ cada, e nunca mais recuperei! Houve vários aumentos de capital, e continuo a pensar que vou minimizar os prejuízos...Puro engano! Com o banif idem! Já não confio em banco nenhum. Será que vou ao aumento de capital!

Antonio Manuel Alves Dias 12.01.2017

"Resolvia-se" já o problema.

Antonio Manuel Alves Dias 12.01.2017

Se ele fosse português???

pub
pub
pub
pub