Mercados Euronext oferece 510 milhões para comprar a Clearnet

Euronext oferece 510 milhões para comprar a Clearnet

A Euronext oficializou a oferta de compra da Clearnet, tendo oferecido à bolsa de Londres 510 milhões de euros.
Euronext oferece 510 milhões para comprar a Clearnet
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 03 de janeiro de 2017 às 07:54

A Euronext, que se encontrava em negociações exclusivas com a LSE para a compra da Clearnet, concretizou uma oferta: 510 milhões de euros, revelou a gestora de bolsas em comunicado emitido para os diferentes mercados onde opera, nomeadamente para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"A Euronext assinou uma oferta de compra e garantiu a exclusividade para comprar 100% das acções e direitos de voto da Clearnet", pode ler-se no comunicado.

 

A oferta é de 510 milhões de euros e está dependente de uma série de questões, tais como a concretização da fusão entre a Deutsche Börse e da LSEG, da aprovação dos accionistas e dos reguladores, nomeadamente a luz verde da Concorrência de França e Portugal. A operação será financiada através de dívida e dinheiro.

 

A Clearnet é uma casa de compensação e liquidação actualmente designada de LCH SA, que gerou um volume de negócios de 137 milhões de euros e um resultado depois de impostos de 35 milhões em 2015.

 

"Esta operação vai fortalecer a longa relação entre a Euronext e a Clearnet, e cimentar a estratégia de futuro com a Clearnet dentro da Zona Euro.

 

As sinergias de custos operacionais ascendem a cerca de 13 milhões de euros por ano, em termos brutos, essencialmente a poupanças nos custos de eficiência.

A LSE, que está em processo de fusão com a Deutsche Börse, já confirmou que aceitou a oferta.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub