Indústria Evolução do sector têxtil em três gráficos

Evolução do sector têxtil em três gráficos

Após subir ao pico da montanha em 2001, a entrada da China na OMC, o alargamento a Leste e a crise financeira global atiraram a indústria têxtil e de vestuário "ao tapete". Um ano antes da intervenção externa, começou a recuperar os principais indicadores.
Evolução do sector têxtil em três gráficos
Bloomberg



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 09.02.2018

A grande evolução na cadeia de valor do têxtil português só foi possível porque o sector têxtil, sob a égide da troika UE-FMI, desalocou 45 mil excedentários entre 2008 e 2013. E assim investiu em bens de capital e alocou, na quantidade adequada, talento específico orientado para os novos paradigmas de mercado. Ficou por fazer o mesmo com os restantes sectores da economia portuguesa, a começar pelo infame sector público sindicalizado, despesista e inerentemente extractor de valor como de resto está na sua matriz genética desde o arranjo constitucional socialista de 1976. http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/industria/detalhe/textil-iguala-exportacoes-de-2007-com-menos-2500-empresas

Saber mais e Alertas
pub