Banca & Finanças Ex-BESI admite mais-valia de 16 milhões com vendas em Nova Iorque e Londres

Ex-BESI admite mais-valia de 16 milhões com vendas em Nova Iorque e Londres

O Haitong Bank espera receber em torno de 25 milhões de euros pelas unidades que tem em Londres e em Nova Iorque. O valor poderá, contudo, ser revisto em baixa. De qualquer forma, a confirmar-se, a mais-valia é de 15,8 milhões de euros.
Ex-BESI admite mais-valia de 16 milhões com vendas em Nova Iorque e Londres
Pedro Catarino
Diogo Cavaleiro 10 de janeiro de 2018 às 15:21

É o terceiro comunicado do Haitong Bank sobre a venda das subsidiárias de Londres e Nova Iorque: no primeiro, anunciou a alienação; no segundo, avançou o preço máximo a obter na operação; no terceiro revelou a mais-valia que pode arrecadar.

 

"No seguimento dos comunicados de 15 de Dezembro e 22 de Dezembro de 2017 relativos ao acordo celebrado com a Haitong International para alienação das subsidiárias de Londres e Nova Iorque, o Haitong Bank vem informar que, caso as transacções se concretizem pelos valores indicados, o banco terá uma mais-valia potencial de 15,8 milhões de euros", indica a nota enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta quarta-feira, 10 de Janeiro.

 

De qualquer forma, o banco de investimento, anteriormente denominado BES Investimento, sublinha que aquela é a mais-valia potencial máxima. "Os valores apresentados são valores máximos, meramente indicativos". Tudo porque ainda estão a decorrer trabalhos de auditoria e avaliação às unidades norte-americana e britânica, que podem rever em baixo o preço de venda.

O português Haitong Bank está a vender estas subsidiárias a uma "holding" do grupo a que pertence, cuja sede é em Hong Kong. 

 

O Haitong Bank, presidido por Wu Min, espera receber em torno de 25 milhões de euros pelas unidades que tem em Londres e em Nova Iorque. O valor poderá, contudo, ser revisto em baixa, admite o antigo BES Investimento – o que depois terá impacto na mais-valia, que compara esse preço com o que está registado no balanço do banco. A concretizar-se as transacções, os impactos só serão tidos em conta em 2018. Em Junho do ano passado, o banco teve um prejuízo de 80 milhões de euros.

 

Em alienação estão a Haitong UK Limited, Haitong Securities (UK) Limited e Haitong Securities USA LLC. "O Haitong Bank estima que o processo de venda esteja concluído dentro de um período máximo de seis meses contados a partir da data de 15 de Dezembro de 2017", ou seja, 15 de Junho.


Desde que integrou o grupo chinês Haitong, por intermédio da venda pelo antigo accionista Novo Banco, o banco tem estado em reestruturação, deixando de se focar em vários negócios e centrando-se na China, Península Ibérica, Polónia, Brasil e mercados emergentes. Os prejuízos têm sido frequentes e só no segundo semestre deste ano é que o banco nacional antecipa atingir o "break-even operacional", ou seja, saindo dos prejuízos.

 

Este ano, o banco foi alvo de um aumento de capital de 419 milhões de euros, disperso por diversas tranches ao longo do ano, a que foi obrigado por parte do Banco de Portugal. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub