Banca & Finanças Ex-director do Banco de Portugal com aval do BCE para integrar Caixa

Ex-director do Banco de Portugal com aval do BCE para integrar Caixa

Carlos Albuquerque já pode ser nomeado para a administração do banco público, da mesma forma que Alberto Souto, que era do Banco Europeu de Investimento.
Ex-director do Banco de Portugal com aval do BCE para integrar Caixa
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 28 de julho de 2017 às 20:28

Carlos Albuquerque, antigo director de supervisão do Banco de Portugal, já tem autorização do Banco Central Europeu para integrar a administração da Caixa Geral de Depósitos.

 

Carlos Albuquerque teve, em Fevereiro, de iniciar um período de nojo de seis meses para que pudesse ser administrador executivo do banco público, já que estava, desde 2014, à frente do departamento da supervisão prudencial do supervisor da banca. O período está prestes a terminar.

 

A informação foi transmitida pelo presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, na conferência de imprensa de apresentação de resultados do primeiro semestre, período em que foi registado um prejuízo de 50 milhões de euros.

 

Tal como Carlos Albuquerque, também Alberto Souto, ex-quadro do Banco Europeu de Investimento (BCEI) e que está na sociedade estatal Estamo, recebeu o aval do supervisor único.

 

Segundo Paulo Macedo, o processo de avaliação dos dois administradores já ficou concluído. "Deverão iniciar funções depois de ser nomeados pelo accionista", explicou. A CGD tem um accionista único, o Estado.

 

Actualmente, a administração da CGD é composta pela equipa executiva, com sete membros e liderada por Paulo Macedo, e por cinco não executivos. Carlos Albuquerque vai elevar o número de executivos para oito elementos, e Alberto Souto para seis. Ficam assim 14 elementos, faltando ainda duas personalidades para completar a equipa.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

O Carlos Tavares e a Maria Capote, foram da CMVM para a CGD, sem problema. Porquê tanta coisa com um simples diretor?

pub
pub
pub
pub