Automóvel Ex-executivo da Volkswagen condenado a sete anos de prisão nos EUA

Ex-executivo da Volkswagen condenado a sete anos de prisão nos EUA

Oliver Schmidt, que liderava o departamento da Volkswagen que garantia que a empresa cumpria com as normas de regulação, já tinha assumido culpa no escândalo de emissões de poluentes. Esta quarta-feira conheceu a decisão judicial: sete anos de prisão e uma multa de 400 mil dólares.
Ex-executivo da Volkswagen condenado a sete anos de prisão nos EUA
reuters, bloomberg
Negócios 07 de dezembro de 2017 às 08:00

Oliver Schmidt, ex-executivo da Volkswagen, foi condenado a sete anos de prisão e a uma multa de 400 mil dólares. Em causa está o escândalo da manipulação de emissões poluentes, com o responsável a assumir a culpa neste caso.

A BBC realça que Oliver Schmidt é o segundo responsável ligado ao escândalo da Volkswagen condenado nos EUA. James Liang, engenheiro, foi condenado a mais de três anos de prisão, em Agosto.

 

Foi também em pleno Verão que Oliver Schmidt assumiu a culpa neste caso.

 

O tribunal decidiu aplicar a sentença máxima proposta pela acusação, que entretanto retirou várias acusações que recaiam sobre Oliver Schmidt. Inicialmente o ex-responsável da Volkswagen estava acusado de 11 crimes que poderiam levá-lo à condenação a um tempo máximo de cadeia de 169 anos.

 

O escândalo das emissões de poluentes já custou à Volkswagen quase 30 mil milhões de dólares, salienta a BBC.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Azar na escolha do país! se fosse em Portugal não era sequer julgado, mas se o fosse apanhava pena suspensa.

Anónimo Há 1 semana

Sejamos a favor ou contra os Estados Unidos na questões de justiça ( neste caso ) não olham a quem praticou o ilicito .Juízes sem medo aplicam as leis a quem mente e cria problemas á Nação !

Saber mais e Alertas
pub