Banca & Finanças Ex-governador defende regresso "à persuasão moral" na supervisão

Ex-governador defende regresso "à persuasão moral" na supervisão

António de Sousa argumenta que a supervisão financeira não pode ser feita num quadro legal estático. É preciso persuasão moral, que diz ter desaparecido. Foi essa a forma encontrada pelo Banco de Portugal para afastar Ricardo Salgado do BES.
Ex-governador defende regresso "à persuasão moral" na supervisão
Diogo Cavaleiro 27 de outubro de 2017 às 12:45

António de Sousa, que foi governador do Banco de Portugal entre 1994 e 2000, defende que a supervisão financeira não se deve centrar apenas em regras estáticas e deve passar pela "persuasão moral".

 

"[É preciso] dar condições para as autoridades de supervisão actuarem de forma mais operacional, mais próxima de um diálogo e não meramente um quadro estático e legal. Através daquilo que funcionou durante tantos anos: a persuasão moral", considerou António de Sousa.

 

Numa conferência sobre a reforma da supervisão financeira que teve lugar em Lisboa esta sexta-feira, 27 de Outubro, o antigo governador afiançou que é "fundamental" adoptar essa postura que, na sua óptica, "praticamente desapareceu em muitos casos".

 

Foi precisamente a persuasão moral a forma encontrada pelo Banco de Portugal a partir do final de 2013 e até Junho de 2014 para lidar com Ricardo Salgado, então líder do Banco Espírito Santo. O regulador sempre disse não ter poderes para afastar banqueiros e que utilizou a persuasão moral, com perguntas e respostas e recusa de registo para novos administradores em entidades do grupo, para afastar Salgado. O antigo vice-governador, Pedro Duarte Neves, sempre disse que essa postura funcionou, já que foi delineado o plano de sucessão e o banqueiro acabou por sair de funções.

 

O plano de sucessão acabou por não ser bem-sucedido, já que o BES acabaria por ser intervencionado com a aplicação de uma medida de resolução.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Banco de Portugal, CMVM, ISP, tudo miudagem que ninguém conhece ou respeita. persuasão moral? Balelas.

Camponio da beira Há 3 semanas

Mas no Bdp e bancos em geral quem manda são os miudos do jardim de infancia, pagos como se fossem reis do petroleo?

pub