Indústria Exportações de calçado voltam a subir

Exportações de calçado voltam a subir

Em 2016, o sector exportou 1.923 milhões de euros, um crescimento de 3,2% face a 2015, o que equivale a mais de 81 milhões de pares de calçado.
Exportações de calçado voltam a subir
Paulo Duarte/ Negócios
Negócios 09 de fevereiro de 2017 às 15:42

As exportações de calçado voltaram a subir no ano passado, tendo o sector vendido mais de 81 milhões de pares para o exterior, um aumento de 3,2% face a 2015 e que totaliza 1.923 milhões de euros.


A associação do sector, a APICCAPS, diz que estes valores são "um novo máximo histórico". "Este é o sétimo ano consecutivo de crescimento das vendas nos mercados externos. Desde 2009, as exportações já aumentaram mais de 55%. O calçado português cresceu em praticamente todos os mais relevantes mercados externos", referiu a associação em comunicado.


As exportações nacionais estão a aumentar para todos os principais mercados do calçado nacional, "com excepção do Reino Unido", garantiu a APICCAPS. As taxas de crescimento mais elevadas são em mercados menos tradicionais para o calçado: "China (3108%), Emirados Árabes Unidos (608%), Estados Unidos (461%), Austrália (363%) e Polónia (295%)", referiu a associação.


O preço médio de exportação subiu 24%. "Entre os principais produtores mundiais de calçado, Portugal apresenta mesmo o segundo maior preço médio de exportação", referiu a APICCAPS.


Estes dados são divulgados na véspera da Micam, a maior feira de calçado do mundo, que terá lugar a partir deste Domingo, em Milão e onde estarão 97 empresas. O evento conta com a presença do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub