Banca & Finanças Exposição dos clientes de retalho do BES ao GES é de 853 milhões

Exposição dos clientes de retalho do BES ao GES é de 853 milhões

O montante de títulos de dívida emitidos por entidades do Grupo Espírito Santo e detidos directamente pelos clientes de retalho do Grupo BES, à data de 30 de Junho, ascendia a 853 milhões de euros, segundo um comunicado do BES divulgado na CMVM.
Exposição dos clientes de retalho do BES ao GES é de 853 milhões
Bloomberg
Carla Pedro 11 de julho de 2014 às 01:29

De acordo com o comunicado do Banco Espírito Santo, os títulos de dívida emitidos pelo GES e detidos directamente pelos clientes de retalho do grupo BES correspondem a 255 milhões de euros em papel comercial emitido pela Espírito Santo International; a 342 milhões em papel comercial emitido pela Rioforte; a 44 milhões em papel comercial emitido por subsidiárias da Rioforte (ES Saúde e ES Property); e a 212 milhões em papel comercial e obrigações emitidas pela ESFG e suas subsidiárias. O total ascende assim a 853 milhões de euros. 

 

"Mais informa que não existem activos emitidos pelo Grupo Espírito Santo em montante material nos fundos geridos por sociedades detidas pelo BES", sublinha.

 

O documento relembra que "a ESFG emitiu uma garantia incondicional e irrevogável destinada a assegurar o cumprimento das obrigações da Espírito Santo International associadas aos instrumentos de dívida por esta emitidos e colocados através do Grupo BES junto dos seus clientes de retalho no montante de 700 milhões de euros". E acrescenta que "esta garantia abrange actualmente instrumentos de dívida emitidos por outras entidades do Grupo Espírito Santo, nomeadamente a Rioforte".

 

Por outro lado, além dos referidos 853 milhões, o comunicado refere ainda que "os clientes de retalho do Grupo BES detinham adicionalmente, em 30 de Junho de 2014, títulos emitidos pela ESCOM no montante de 64 milhões de euros, empresa que segundo informação do Grupo Espírito Santo terá sido vendida, processo ainda não encerrado mas com conclusão prevista para breve, e obrigações emitidas pela Espírito Santo Tourism no montante de 144 milhões de euros, empresa que segundo informação prestada pelo Grupo Espírito Santo terá sido alienada em 2013".

 

Recorde-se que, num cenário de incumprimento do GES aos clientes de retalho do BES, é o banco que tem de assumir o reembolso do montante em dívida. O mesmo já não acontece com os clientes institucionais.

 

Institucionais detêm 2,011 mil milhões

 

Já o montante de títulos de dívida emitidos por empresas do Grupo Espírito Santo detido directamente por clientes institucionais e em custódia no Grupo BES, a 30 de Junho de 2014, ascendia a 2,011 mil milhões.

 

Com efeito, em títulos emitidos pela Espírito Santo International, a exposição dos clientes institucionais é de 511 milhões de euros; em títulos emitidos pela Rioforte e subsidiárias, é de 1,5 mil milhões de euros.

 

O BES considera que "estes investidores são considerados investidores qualificados de acordo com os critérios legais aplicáveis, e portanto com maior capacidade de avaliação de risco".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado TugaTuga 11.07.2014

Tristemente isto não é nada que não tivesse acontecido a poucos anos atrás quando BES emitiu obrigações com cupões altissimos para tentar passar por melhor que depósitos a prazo. Na altura angariou cerca de 500M Eur e deixou de pagar os cupões e depois "sugeriu" o swap para equity. Aparentemente há pessoas que não aprendem e voltam a cair na cantiga de comprar o "lixo" da casa.

comentários mais recentes
Anónimo 11.07.2014

Cá temos outra história identica à do BPP .... coitadinhos dos clientes particulares ! Querem ter taxas de rentabilidades elevadas, mas depois nunca sabem de nada sobre o risco .... tinham apenas "depósitos a prazo" ... Quando é que de uma vez por todas se assumem as responsabilidades e se aplica o risco dos produtos aos investidores ?

TugaTuga 11.07.2014

Tristemente isto não é nada que não tivesse acontecido a poucos anos atrás quando BES emitiu obrigações com cupões altissimos para tentar passar por melhor que depósitos a prazo. Na altura angariou cerca de 500M Eur e deixou de pagar os cupões e depois "sugeriu" o swap para equity. Aparentemente há pessoas que não aprendem e voltam a cair na cantiga de comprar o "lixo" da casa.

pub