Indústria F. Ramada encaixa 18 milhões com venda de acções próprias

F. Ramada encaixa 18 milhões com venda de acções próprias

A empresa aumenta o "free float" para quase um quarto do capital depois de ter alienado acções com desconto de 12,5% face ao fecho da sessão de ontem.
F. Ramada encaixa 18 milhões com venda de acções próprias
Nuno Carregueiro 25 de julho de 2017 às 18:54

A F. Ramada anunciou esta terça-feira, em comunicado à CMVM, que concretizou a colocação no mercado das acções próprias que tinha em carteira, numa operação que gerou para a empresa um encaixe de 18,026 milhões de euros.

 

As 2.564.145 acções próprias que detinha, que representam 9,99% do seu capital, foram vendidas a "um conjunto de investidores qualificados" a 7,03 euros cada uma, o que traduz um desconto de 12,5% face ao preço de fecho de segunda-feira (8,033 euros).

 

Hoje os títulos subiram 2,83%, para 8,26 euros, o que eleva a valorização em bolsa acumulada este ano para 61,64%, dando à cotada do sector do aço uma capitalização bolsista de 211,8 milhões de euros.

 

Num comunicado enviado à imprensa, a Ramada diz que com esta colocação de acções próprias "a empresa contribuiu para aumentar o capital disperso para 24,16%, conferindo uma maior liquidez aos seus títulos no mercado de capitais, ao mesmo tempo que alarga a sua base de investidores".

 

Uma visão reforçada pelo presidente da empresa. "Com esta operação a Ramada Investimentos vai aumentar o "free float" e a liquidez do título F. Ramada. A conjugação destes dois factores irá permitir alargar a base de investidores bem como possibilitar a entrada de novos accionistas institucionais", diz João Borges de Oliveira.

 

A JB Capital Markets foi o "sole bookrunner" desta operação.

 

Este é o segundo encaixe relevante que a empresa conseguiu num curto espaço de tempo. A 19 de Julho vendeu uma posição no capital da Base Holding, que actua no sector da saúde, num negócio que deve gerar uma mais-valia "superior a 40 milhões de euros".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub