Empresas Fábrica Portuguesa de pizzas refrigeradas cria 70 postos de emprego em Samora Correia

Fábrica Portuguesa de pizzas refrigeradas cria 70 postos de emprego em Samora Correia

A Brieftime, primeira fábrica portuguesa de pizzas refrigeradas, inaugurada hoje, em Samora Correia, resulta de um investimento de 5,5 milhões de euros, que permitiu a criação de 70 postos de trabalho.
A carregar o vídeo ...
Lusa 29 de setembro de 2017 às 18:59

A inauguração contou com a presença do ministro da Economia, Caldeira Cabral, que destacou que o crescimento verificado na economia portuguesa, não resulta apenas dos grandes investimentos internacionais, mas também no nascimento de negócios de pequena e média dimensão.

 

"O sucesso que está a acontecer na economia portuguesa, corresponde não só aos grandes investimentos internacionais, que estão a voltar a Portugal, mas também a estes investimentos de média e pequena dimensão", disse à Lusa.

 

Questionado sobre o potencial de exportação dos produtos da Brieftime, Caldeira Cabral destacou o aumento das exportações no sector agroalimentar e o facto de serem produtos transformados, destinados às grandes cadeias de distribuição.

 

"O agroalimentar teve um aumento nas exportações, no primeiro semestre, de 14%", consequência da exportação, não só de produtos agrícolas, mas também "produtos muito transformados, trabalhando para as grandes cadeias de distribuição e criando mais valor que fica em Portugal", vincou.

 

O presidente executivo da Brieftime, Pedro Teixeira, disse que a ideia de criar a primeira fábrica de pizzas refrigeradas em Portugal, resultou da escassez de fornecedores portugueses e da oportunidade de entrar numa categoria de mercado que valia 30 milhões de euros.

 

"A ideia surgiu em 2014, eu trabalhava na grande distribuição e vi que havia uma oportunidade de mercado, que não tinha qualquer tipo de fornecedor português e era uma categoria que valia 30 milhões de euros", disse à Lusa.

 

Pedro Teixeira referiu que a criação do projecto veio trazer um grande impacto ao concelho de Benavente e acrescentou que já estão a trabalhar numa nova unidade que vai empregar mais 20 pessoas.

 

"Acho que [o impacto para a economia regional] é bastante, sobretudo, pelo emprego que estamos a criar à volta desta região" e estamos ainda a "abrir uma fábrica nova, em frente a esta, onde vamos pôr 20 pessoas", afirmou.  

 

O presidente executivo da Brieftime, disse ainda que existem algumas características do produto que limitam as possibilidades de exportação, porém, as pizzas podem afirmar-se através das matérias-primas utilizadas.

 

"É um produto refrigerado, tem sempre uma limitação a nível da exportação por causa do seu prazo de vida", mas pode distinguir-se "pelo regionalismo ou através das matérias-primas que acrescentamos", concluiu.

 

A nova unidade fabril, que dispõe de uma área de cinco mil metros quadrados, teve um período de testes que durou, sensivelmente, um ano e que permitiu que fossem confirmados os sistemas de gestão, ao nível da qualidade e segurança alimentar.

 

Nos primeiros meses, a Brieftime produziu cerca de 300 mil pizzas, tendo, em setembro, os valores de produção ascendido a um milhão de unidades, sendo metade destinada à exportação para o mercado espanhol.

 

Já o volume de negócios da empresa fixou-se, este ano, em 13 milhões de euros. 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Já não Há Mentira que Pegue Há 3 semanas

Não se vê Razão para votar em outro Partido nas eleições, que não PS, vê-se Todas as Razões para Votar no PS, 1º porque ninguém quer voltar a Trás, aos Saques do PSD e CDS, 2º Acabar com a dependência do BE, já que o PSD se Auto Excluio das Soluções para Portugal, agarrados que estavam ao TACHO.

pub