Tecnologias Facebook automatiza combate às notícias falsas

Facebook automatiza combate às notícias falsas

A empresa quer detectar com maior rapidez, e enviar para entidades verificadoras, os conteúdos que possam configurar potenciais notícias falsas. O objectivo é travar a sua dispersão junto de mais utilizadores.
Facebook automatiza combate às notícias falsas
Reuters
Negócios com Bloomberg 03 de agosto de 2017 às 18:51

A rede social Facebook vai introduzir uma funcionalidade automática que detecta conteúdos noticiosos potencialmente falsos, permitindo validar a sua veracidade e informar os utilizadores.


Segundo a Bloomberg, a empresa anunciou a criação de um algoritmo que assinala as publicações suspeitas, enviando-as para validação por terceiros. Depois de analisar a publicação, estes verificadores podem desmentir o conteúdo através de um comentário que surgirá agregado à "notícia".

EUA, Alemanha, França e Holanda foram escolhidos para testar o sistema em primeira mão, já a partir desta quinta-feira, por serem os países em que já há parcerias com verificadores. 

"Quanto mais depressa pudermos enviar potenciais falsas notícias aos verificadores, mais depressa eles podem validá-las e conseguiremos reduzir ainda mais o número de pessoas que acabam por ser expostas a essas notícias," disse ao Tech Crunch a gestora de integridade de produto do feed de notícias do Facebook, Tessa Lyons.

Snopes e Politifact são alguns dos verificadores com que a Facebook tem trabalhado, na tentativa de conter a disseminação de relatos falsos, como os que marcaram a recente eleição presidencial nos EUA.


Embora o CEO da rede social, Mark Zuckerberg, tenha inicialmente negado que as notícias falsas difundidas pelo Facebook tivessem influenciado as eleições, o responsável reconheceu que a prioridade da empresa deverá ser a de ter utilizadores informados.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub