Tecnologias Facebook quer pôr utilizadores a jogar no Messenger

Facebook quer pôr utilizadores a jogar no Messenger

Os Instant Games são a nova estratégia do Facebook. A rede social pretende introduzir jogos no feed de notícias e no serviço de chat. O objectivo passa por prolongar o tempo dos utilizadores ligados à rede social.
Facebook quer pôr utilizadores a jogar no Messenger
Facebook
Negócios 30 de Novembro de 2016 às 15:46

A Facebook introduziu esta terça-feira, 29 de Novembro, uma nova funcionalidade na redes social que permite aos utilizadores a participação em jogos a partir de conversações no Messenger e do feed de notícias, numa experiência que pretende ser multiplataforma.


Em comunicado de imprensa, a empresa afirma que os jogos estarão disponíveis em 30 países e para as versões mais recentes dos sistemas operativos iOS e Android. Entre os vários jogos destacam-se clássicos como Pacman, Space Invaders ou Words With Friends.


No caso dos jogos no Messenger, haverá um ícone de um comando de uma consola, a partir do qual se acede à lista de jogos disponíveis, que de acordo com o Facebook, será constantemente aumentada. Na aplicação de mensagens instantâneas, os utilizadores poderão jogar entre si e consultar as pontuações após cada ronda.


No passado mês de Agosto, o Facebook assinou uma parceria com a Unity Technologies Inc. para facilitar aos programadores o desenvolvimento de jogos para a rede social. E no início deste mês lançou o Gameroom, uma aplicação de desktop dedicada a jogos.


Segundo o banco de investimento Piper Jaffray Cos, citado pelo Wall Street Journal, a empresa de Mark Zuckerberg gera cerca de 45 milhões de dólares (42,4 milhões de euros) de receitas por mês a partir dos jogos; valor inferior comparado aos 65 milhões de dólares conseguidos em Dezembro de 2011.


Um dos desafios apontados pela mesma fonte é o financiamento dos programadores, uma vez que a nova funcionalidade da rede social não vai disponibilizar, por enquanto, anúncios ou vendas de produtos virtuais.

"A monetização [conversão dos cliques em dinheiro] virá a determinada altura", refere Leo Olebe, director de parcerias internacionais de jogos do Facebook, acrescentando que as companhias de jogos beneficiarão com a sua exposição no feed de notícias dos utilizadores.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira Há 4 dias

Não contem comigo, que tenho muito que fazer.

Anónimo Há 4 dias


Os ladrões de esquerda

SÓCRATES GATUNO & COSTA LADRÃO, destroem 3 gerações de portugueses:

- Endividaram o país até à bancarrota.

- Deixaram dívidas e juros, para 3 gerações de portugueses pagarem.

pub