Energia Factura da electricidade vai subir 1,2% em 2017

Factura da electricidade vai subir 1,2% em 2017

Este aumento vai ter apenas lugar para os 1,5 milhões de consumidores no mercado regulado, não afectando os 4,6 milhões de clientes que já estão no mercado liberalizado.
Factura da electricidade vai subir 1,2% em 2017
Bruno Simão/Negócios
André Cabrita-Mendes 14 de Outubro de 2016 às 16:46
As tarifas de electricidade vão subir 1,2% a partir de 1 de Janeiro de 2017. Depois de um aumento de 2,1% este ano, a subida da factura da luz vai ser menos acentuada no próximo ano.

Esta subida representa uma valorização de 57 cêntimos numa factura média mensal de 46,7 euros.

A subida foi anunciada esta sexta-feira, 14 de Outubro, pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Este valor está abaixo da inflação esperada pelo Governo para o próximo ano: 1,5%.

Este aumento vai ter apenas lugar para os consumidores no mercado regulado: 1,5 milhões de clientes. Por isso, a subida não afecta os 4,6 milhões de clientes domésticos que já migraram para o mercado liberalizado, representando mais de 91% do consumo total em Portugal.

Porque é que a electricidade vai subir? O serviço da dívida tarifária contribui para esta subida. "Os custos associados ao serviço da dívida incluída nas tarifas de 2015 mantêm-se a um nível historicamente alto", tendo subido 0,7% face a 2016, mais 1.784 milhões de euros.

A contribuir para o aumento também está o sobrecusto da produção de energia renovável, pois a produção de energia a partir das centrais hídricas e eólicas foi muito superior ao previsto, pois a chuva e o vento ficaram muito acima da média.

Por último, as rendas de concessão dos munícipios dos Açores e da Madeira. As autarquias das regiões autónomas não recebiam taxas de ocupação, à semelhança do que já acontece nos munícipios do Continente, mas passaram a receber em 2016.

Mas também houve outros factores que contribuíram para a redução das tarifas, como a contribuição dos produtores eólicos em regime especial, ou a dedução de 70 milhões aos produtores de renováveis que receberam apoios duplos.

A tarifa vai ser agora analisada pelo Conselho Tarifário - composto por empresas eléctricas e associações de consumidores - emitindo depois um parecer. A decisão final sobre as tarifas que entram em vigor em 2017 é tomada até dia 15 de Dezembro.

O exercício tarifário para 2017 regista um superavit de 321 milhões de eeuros face a 2016.

(Notícia actualizada às 16:57)



A sua opinião35
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas



PS . BE . PCP - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


comentários mais recentes
Julio Há 2 semanas

Viva o mercado.

Anónimo Há 2 semanas

Emigrem seus morcões! Não sejam piegas levem o careca drogado cara de velha aziado de massamá á vossa frente para fazer de moisés e carregem os sacos de branca para lhe aromatizar as narinas! Ai aguentam aguentam

É NECESSÁRIO QUE AUMENTE E BASTANTE ... Há 2 semanas

CONVÉM QUE SUBA PARA QUE SE POSSA MANTER E, EVENTUALMENTE, AUMENTAR O MANÁ ANUAL DO -CHULO MEXIA, ALÉM DE QUE O AUMENTO É TAMBÉM NECESSÁRIO PARA QUE OS LUCROS DA EDP, ou seja, DA CHINOCADA (que vôam para a China) TAMBÉM FLORESÇAM.
O CONSUMIDOR, ESSE, QUE SE LIXE.

Anónimo Há 2 semanas

País sem futuro. Onde os impostos aumentam loucamente o rendimento baixa.

ver mais comentários
pub