Construção Falhas dos projectos justificam 84,19% das mudanças nos contratos de obras públicas

Falhas dos projectos justificam 84,19% das mudanças nos contratos de obras públicas

Dos 700 contratos de obras públicas analisados pelo Tribunal de Contas, 184 foram alvo de alterações. A grande maioria por falhas na concepção dos projectos. Pavimentação ou instalações eléctricas nos principais motivos.
Falhas dos projectos justificam 84,19% das mudanças nos contratos de obras públicas
Wilson Ledo 28 de junho de 2017 às 13:05

O número de contratos de obras públicas que não foram alvo de alterações aumentou para os 73,71% em 2016, segundo uma análise do Tribunal de Contas publicado esta quarta-feira, 28 de Junho.

A instância analisou 700 contratos de obras públicas, a maioria atribuídos à administração local, e apurou que 184 deles foram alvo de alterações.


As alterações por trabalhos adicionais ou erros representaram um acréscimo de quase 35 milhões de euros. Já as mudanças provocadas por trabalhos suprimidos fixaram-se nos 31 milhões de euros.


"O resultado foi o aumento líquido da despesa pública em cerca de 3,9 milhões de euros", conclui o Tribunal de Contas.


O maior volume de alterações fez-se sentir em obras promovidas pelo sector empresarial do Estado, envolvendo também mais dinheiro.


Fizeram-se sentir sobretudos nas obras públicas de vias de comunicação (44%) e nos edifícios e reabilitação (30%), seguindo a tendência dos relatórios anteriores. Pavimentação, instalações eléctricas e arquitectura foram os principais motivos.

Mais de oito em cada dez alterações (84,19%) é justificada por "deficiências na concepção dos projectos". A segunda maior fatia, embora mais reduzida (7,9%), diz respeito a imprevistos.


"O Tribunal de Contas verificou que há entidades que formalizam contratos adicionais sem respeitarem o respectivo regime legal", lamenta a instância.


Por isso mesmo, o Tribunal de Contas reitera aos donos das obras que "respeitem escrupulosamente os limites legais quantitativos para trabalhos a mais e a menos e não procedam a quaisquer operações de compensação com trabalhos a menos".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub