Imobiliário Faltam mais de 13 mil camas para estudantes em Lisboa, Porto e Coimbra

Faltam mais de 13 mil camas para estudantes em Lisboa, Porto e Coimbra

Um estudo da JLL e da Uniplaces revela a falta de oferta de alojamento para estudantes que cumpram padrões de qualidade europeia. A lacuna de mercado está já a motivar o interesse de investidores imobiliários.
Faltam mais de 13 mil camas para estudantes em Lisboa, Porto e Coimbra
Wilson Ledo 15 de novembro de 2017 às 17:15

Faltam entre 13 mil e 18 mil camas para estudantes nos três principais pólos universitários de Portugal: Lisboa, Porto e Coimbra.

A conclusão é de um estudo da consultora imobiliária JLL e da plataforma de alojamento Uniplaces, que destacam o forte crescimento de estudantes estrangeiros em Portugal, número que duplicou desde 2010.


As entidades destacam esta área como uma das mais atractivas para os investidores imobiliários, que estão "activamente à procura de terrenos ou edifícios para reabilitar nas principais cidades universitárias portuguesas".


"Se a este fluxo juntarmos os estudantes nacionais que necessitam de alojamento nas cidades em que estudam, vemos que existe hoje um enorme desequilíbrio entre a procura e a oferta de residências universitárias de qualidade, que tenham valências de apoio e serviços associado", considera Maria Empis da JLL.


Retrato de Lisboa

Lisboa é onde essa lacuna é maior: faltam cerca de 10 mil camas. Nesta altura, estão em preparação entre três mil e quatro mil novos quartos, em projectos da Temprano Capital Partners, Staytoo, Uhub, Student Ville e da própria Universidade de Lisboa.


A oferta actual em Lisboa é constituída por 380 quartos em residências universitárias privadas, 5.300 quartos em apartamentos privados, 1.800 quartos em alojamento universitário público e 1.400 quartos em apartamentos geridos por operadores especializados no sector. Total: 8.880 quartos.


Segundo o estudo, Lisboa tem quase 114 mil estudantes, dos quais 56 mil deslocados. Destes últimos, 16 mil são estrangeiros. A renda mensal na plataforma Uniplaces é de 500 euros.


Retrato do Porto

O Porto precisaria de cerca de quatro mil camas, prevendo-se já entre 2.500 e 3.500 em curso. A Invicta tem actualmente para oferecer 290 quartos em residências privadas, 2.400 quartos em apartamentos privados, 1.250 quartos em residências académicas públicas, a que se juntam 420 quartos geridos por operadores do sector. Total: 4.360.


Com mais de 56 mil estudantes, 23 mil dos quais deslocados incluindo seis mil estrangeiros, a renda média mensal na Uniplaces fixa-se nos 430 euros.


Retrato de Coimbra

Em Coimbra, a população universitária é de 35 mil estudantes. Aqui se incluem 22 mil deslocados, dos quais cinco mil estrangeiros.


A "cidade dos estudantes" tem para oferecer 1.130 quartos em apartamentos privados, 900 em residências universitárias públicas e 40 em apartamentos geridos por operadores do sector. Total: 2.070. A renda mensal ronda os 260 euros.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Dono dos Burros Há 3 semanas

Estudar? Para quê? O país não precisa de gente que saiba mais que, contar e escrever o nome, para assinarem os empréstimos. Precisamos de muitos turistas e se forem gays melhor, sempre podem jantar no Panteão ou irem a uma casa de lanterna vermelha à porta, na AR.

pub