Energia Famílias com gás de botija pagam mais 119 euros por ano

Famílias com gás de botija pagam mais 119 euros por ano

A factura anual das casas com gás de garrafa é superior em 119 euros aos lares que utilizam a rede de gás natural, segundo os dados da Deco citados pelo DN. No Sul do país os preços continuam a ser mais elevados.
Famílias com gás de botija pagam mais 119 euros por ano
Negócios 27 de novembro de 2017 às 09:55

Por ano, os lares com gás de garrafa pagam mais 119 euros face às famílias que consomem a energia equivalente em gás natural. As contas da Deco, citadas pelo Diário de Notícias, mostram ainda assim que os 2,6 milhões de lares portugueses que utilizam gás de botija pagam a mais, anualmente, 310 milhões de euros, com a factura a ser mais pesado a Sul do que a Norte do país.

Uma família que usa uma garrafa de gás de butano por mês tem uma factura anual de 293 euros. Pela mesma quantidade de energia, que segundo a Deco se traduz em 12 botijas de gás por 170m3 de gás natural, uma casa com acesso a rede de gás natural paga 174 euros por ano. Ou seja, uma diferença de 119 euros. A rede de gás natural chega a cerca de 1,3 milhões de casas.

Uma diferença que para a Deco continua a não fazer sentido: "O gás engarrafado tem uma flutuação difícil de perceber. O preço de referência não tem qualquer ligação com o valor de mercado", explicou ao jornal Pedro Silva, técnico responsável pela área de energia da Deco Proteste.

Mas as conclusões do estudo realizado entre Julho e Setembro pela associação e Defesa dos consumidores não ficam por aqui. Depois de ter recolhido 3.360 preços em 961 estabelecimentos de venda de combustíveis, concluiu que os preços do gás de botija continuam mais elevados a Sul do país, nomeadamente me Beja, Faro e Setúbal, do que a Norte. Viana do Castelo, Portalegre e Vila real são as zonas onde p preço é mais barato, rondando os 23,60 euros por uma garrafa de 13 kg. Em Beja, por exemplo, custa 26,95 euros.

"Não encontramos uma explicação minimamente razoável". "Levar de Leça da Palmeira uma garrafa de gás a Braga ou a Bragança não tem um custo inferior a transportar uma garrafa de Sines a Évora. Não é uma questão logística", apontou Pedro Silva.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado RioSado Há 1 semana

O mais caricato ainda é ter gás natural à porta, mas porque antes já existia gás propano canalizado no bairro (antes da instalação do gás natural) eu e todos os moradores termos de continuar a gastar o propano. Pior, numa das ruas estão os dois instalados, um à esquerda e outro à direita... e esta hein!?... vizinhos na mesma rua frente a frente a consumirem gases diferentes!

comentários mais recentes
é mentira Há 1 semana

Agora em lisboa tenho que substituir a coluna do gás do prédio e são mais de 10 000 euros de obras isto ninguem contabiliza !

Anónimo Há 1 semana

O lobby do gás engarrafado é poderosíssimo.
Demasiado poderoso para um governo "normal".

Tereza economista Há 1 semana

Isso não é verdade pois depende das taxas aplicadas e tem concelhos que são verdadeira usura.

RioSado Há 1 semana

O mais caricato ainda é ter gás natural à porta, mas porque antes já existia gás propano canalizado no bairro (antes da instalação do gás natural) eu e todos os moradores termos de continuar a gastar o propano. Pior, numa das ruas estão os dois instalados, um à esquerda e outro à direita... e esta hein!?... vizinhos na mesma rua frente a frente a consumirem gases diferentes!

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub