Banca & Finanças Famílias perdem casas para pagar créditos ao consumo

Famílias perdem casas para pagar créditos ao consumo

Em troca de um empréstimo para pagarem as suas dívidas, há famílias portuguesas a perder as casas. Assinam documentos que pensam ser hipotecas mas que se tratam de contratos de compra e venda.
Famílias perdem casas para pagar créditos ao consumo
Negócios 10 de julho de 2017 às 09:35

Há famílias que estão a perder as suas casas devido a um esquema de fraude com créditos ao consumo, noticia o jornal Público desta segunda-feira, 10 de Julho.

O mesmo é desenvolvido por empresas, algumas sem morada ou registo, através da Internet ou anúncios publicitários.


Na prática, apresentam-se como um investidor privado com capacidade para emprestar dinheiro a famílias endividadas. Como garantia, é assinado um contrato de compra e venda do imóvel, pelo valor das dívidas. Há famílias que o tomam como uma hipoteca.


Depois, é feito um segundo contrato de arrendamento ou comodato, que permite à família permanecer na casa e recomprá-la ao fim de um determinado tempo. Contudo, o valor mensal a pagar é fixado, de propósito, acima dos seus orçamentos.


Contrato de arrendamento ou comodato, permanecer na casa durante um ou dois anos. Assume o compromisso de recomprar aquela que já foi a sua casa, num determinado prazo e num valor significativamente mais alto, 30% ou mais.


Com os incumprimentos, a recompra tem de ser imediata ou a família perde o direito ao imóvel. O segundo cenário torna-se mais recorrente.


A Procuradoria-Geral da República diz ao Público que as vítimas podem apresentar queixa em qualquer departamento do Ministério Público, com vista à abertura de investigação. Já o Banco de Portugal, a quem cabe o papel de regulador, reconhece ter conhecimento destas práticas fraudulentas.


O jornal Público diz que estas empresas mudam de nome com frequência e refere três delas. A Rede Reúne rejeita este tipo de práticas, apesar das queixas online sobre pedidos de um valor para a avaliação do empréstimo, mesmo quando este não se concretiza. Outra empresa com queixas é a Multibiz, cuja morada indica um piso da mesma morada da Rede Reúne. Há ainda a Credipoupa, na mesma sala da Multibiz.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

Corroboro a opinião dos comentários já formulados. O povo português é vaidoso e a vaidade paga-se caro.

Anónimo Há 6 dias

Mais uma vez responsabilizo os pais , em os filhos chegarem a estas situações!

De uma vez por todas, dem aos nossos filhos o essencial.
Isto é fruto de meninos de terem tudo facilitado ....toda a vida.
Enquanto os papás andarem por cá...vão se safando os velhotes arrumam as botas.

nin Há 1 semana

Pois concerteza! Párem de pedir ao banco para comprar Mercedes e já não perdem as casas. Os portugueses não gostam que lhes digam que vivem acima das suas possibilidades, mas não fazem outra coisa.
Depois o banco berra, o governo ajuda, e o IVA sobe, e sou eu a pagar os Mercedes que não tenho.

Johhny Há 1 semana

AS PESSOAS TÊM DE SER RESPONSÁVEIS PELAS SUAS VIDAS ! O ESTADO SOCIAL PAIZINHO NÃO PODE INTREVIR PARA SALVAR TODO O PALHAÇO QUE EXISTE !

pub
pub
pub
pub