Start-ups Farfetch: Entrada em bolsa ainda sem “timing estabelecido”

Farfetch: Entrada em bolsa ainda sem “timing estabelecido”

Na conferência de imprensa de apresentação da nova estrutura na capital portuguesa, José Neves assume que “a abertura [do capital] em bolsa vai ser um passo que, mais tarde ou mais cedo, a empresa vai tomar”.
Farfetch: Entrada em bolsa ainda sem “timing estabelecido”
Bruno Simão/Negócios
Ana Laranjeiro 16 de maio de 2017 às 19:09

A Farfetch vai entrar em bolsa. Quando é uma incógnita. Na apresentação das novas instalações em Lisboa, o CEO da empresa, José Neves, assume que esse é um caminho que a empresa vai percorrer, mas sem um calendário definido. "A abertura [do capital] em bolsa vai ser um passo que, mais tarde ou mais cedo, a empresa vai tomar mas não temos o timing estabelecido", adiantou José Neves.

O tema não é novo. Em Junho de 2015, em entrevista ao Negócios, o líder da empresa de comércio electrónico de artigos de luxo adiantava que "a nível financeiro, o próximo passo será um IPO [entrada em bolsa]. Não sabemos ainda quando, não nos próximos dois anos com certeza. Ainda temos muito para crescer, mas o IPO será o próximo passo".

Em Novembro de 2016, a Bloomberg, citando algumas fontes conhecedoras do processo, diziam que a empresa luso-britânica estava a pensar avançar com a oferta pública inicial (IPO, na sigla anglo-saxónica) em finais de 2017. Para tal, a Farfetch tem mantido, segundo as mesmas fontes, reuniões com consultores. E dentro de meses deverá nomear oficialmente quem ficará responsável por essa assessoria. A notícia esclarecia que "o calendário do IPO visava coincidir com o plano da Farfetch de começar a gerar lucros em finais de 2017".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 17.05.2017

A Farfetch é um sucesso global inglês, criado por um português radicado em Inglaterra. Economias empobrecidos pelo excedentarismo, a corrupção e a falta de competitividade que advém da inovação e do investimento versus economias ricas e desenvolvidas, onde o mercado laboral é flexível e o mercado de capitais forte e dinâmico tendo por isso todas as condições para gerar, atrair e fixar o melhor e mais adequado talento e capital a cada momento. Inglaterra 1 - Portugal 0.

comentários mais recentes
Anónimo 17.05.2017

A Farfetch é um sucesso global inglês, criado por um português radicado em Inglaterra. Economias empobrecidos pelo excedentarismo, a corrupção e a falta de competitividade que advém da inovação e do investimento versus economias ricas e desenvolvidas, onde o mercado laboral é flexível e o mercado de capitais forte e dinâmico tendo por isso todas as condições para gerar, atrair e fixar o melhor e mais adequado talento e capital a cada momento. Inglaterra 1 - Portugal 0.

pub