Empresas Farfetch oferece 37 milhões em acções aos 1.300 trabalhadores

Farfetch oferece 37 milhões em acções aos 1.300 trabalhadores

A empresa luso-britânica Farfetch, que está avaliada em mais de mil milhões de dólares (927,5 milhões de euros), vai investir 40 milhões de dólares (37,1 milhões de euros) na oferta de acções a todos os seus 1.300 trabalhadores. A iniciativa chama-se “Farfetch para Todos”.
Farfetch oferece 37 milhões em acções aos 1.300 trabalhadores
José Neves, CEO da Farfetch
Ricardo Meireles/Sábado
Rui Neves 02 de fevereiro de 2017 às 10:01

José Neves, fundador e CEO da Farfetch, plataforma de compras online avaliada em mais de mil milhões de dólares (927,5 milhões de euros), apresentou esta quarta-feira, 1 de Fevereiro, a iniciativa "Farfetch para Todos" aos seus colaboradores, que representa o maior investimento feito pela empresa até ao momento.

"Farfetch para Todos" é nome do plano de incentivos que visa repartir acções da empresa por todos os seus 1.300 trabalhadores, que estão distribuídos por 11 escritórios em todos o mundo, num investimento orçado em 40 milhões de dólares (37,1 milhões de euros).

Uma iniciativa que "reflecte a continuação do compromisso por parte da Farfetch em investir nas suas pessoas", enfatiza a empresa, em comunicado.

"Temos tido um sucesso notável. A Farfetch tem vindo a remodelar o papel da tecnologia no sector da moda de luxo. Ao fazermos isto tornámo-nos numa das 200 empresas privadas mundiais a conseguir atingir uma valorização de mais de mil milhões de dólares", refere José Neves.

"Estamos muito orgulhosos das nossas conquistas e queremos premiar os colaboradores que nos ajudaram a chegar até aqui. A cultura e os valores da nossa empresa foram construídos em torno da importância de trabalhar em conjunto e aspirar a uma visão comum. Ao lançar o 'Farfetch para Todos' estamos a reforçar esta mensagem para todos os nossos colaboradores e a premiar todos os que participaram nesta caminhada, esperando atrair novos talentos que abracem estes valores enquanto olhamos para o futuro", sublinha o CEO da Farfetch.

A Farfetch garante que a facturação aumentou 70% em 2016 face ao ano anterior, "tendo em conta o valor dos produtos vendidos na sua plataforma", mas não sinaliza o valor das vendas.

De resto, a Farfetch adianta que continua a investir na construção de uma plataforma de negócios focada na Interface de Programação de Aplicações (API) que leve ao crescimento através da inovação, a parcerias com outras entidades e ao acesso a novos mercados.

"Um exemplo disso é a Loja do Futuro (Store of the Future), especialmente focada na redefinição da experiência de retalho omnicanal para o consumidor, alavancando a experiência da Farfetch e das boutiques parceiras", avança a empresa, informando que serão revelados mais detalhes sobre esta tema no evento FarfetchOS, em Londres, a 12 de Abril.

Fundada em 2008 por José Neves, a plataforma Farfetch tem parcerias "com mais de 400 das melhores boutiques do mundo e com 100 marcas" de artigos de luxo de mais de mil designers.

 

Em Maio do ano passado, a Farfetch fechou uma ronda de investimento de série F no valor de 110 milhões de dólares, liderada pelos novos investidores Temasek, IDG Capital Partners e Eurazeo, tendo o investidor Vitruvian Partners também participado na ronda de financiamento.

Há alguns meses que corre a notícia de que a Farfetch tem mantido reuniões com consultores com vista a uma entrada na bolsa de Nova Iorque em finais de 2017.


(Notícia actualizada às 10:20)




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 03.02.2017

Capitalismo responsável, com implementação de meritocracia.
Os parabéns aos trabalhadores e aos donos.
Não confundir com comunismo ou esquerda.
É possível implementar isto, até na função publica.

Anónimo 03.02.2017

A direitalha só gosta da economia de mercado e do liberalismo quando é para o seu bolso... se é para o bolso de todos é comunismo...

afsantos 03.02.2017

Como sempre reina a maledicência, quer seja uma boa noticia quer seja uma má notícia.

Parabéns à empresa e aos seus funcionários!

Anónimo 02.02.2017

Inveja pk ? existe alguma mina de ouro :)

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub