Banca & Finanças Faria de Oliveira: Imparidades excessivas podem ser "duplamente inconvenientes"

Faria de Oliveira: Imparidades excessivas podem ser "duplamente inconvenientes"

O ex-presidente da CGD lembra que não se deve reconhecer demasiadas imparidades, para além do aceitável. Beneficia a rentabilidade mas traz riscos e desincentivos.
Faria de Oliveira: Imparidades excessivas podem ser "duplamente inconvenientes"
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 24 de janeiro de 2017 às 15:48

Fernando Faria de Oliveira, antigo presidente executivo da CGD entre 2008 e 2011, considera que os bancos não devem constituir imparidades demasiado elevadas se não forem efectivamente necessárias.

 

"Adoptar uma estratégia de imparização demasiado agressiva, acima das imparidades aceitáveis e correctamente registadas (onde são particularmente importantes os ‘comparáveis’ com as outras instituições, designadamente os seus pares, dos rácios de cobertura do crédito), pode ser duplamente inconveniente", alertou o agora presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB).

 

Na audição desta terça-feira, 24 de Janeiro, da comissão parlamentar de inquérito, Faria de Oliveira mencionou que, com imparidades excessivas, se está a desvalorizar activos e tal exige mais capital. Apesar disso, a rentabilidade até sobe.

 

"Do ponto de vista prudencial e de gestão do banco, quanto mais fortes estiverem os balanços e mais elevados forem os rácios de capital, melhor", admitiu.


Contudo, avisou Faria de Oliveira, "na óptica da estabilidade financeira, tem de haver preocupações de equilíbrio". "Além disso, não devem criar-se desincentivos à recuperação de créditos, que podem demonstrar-se perversos", acrescentou.

 

"Efeito de contaminação"

 

O líder da APB, que liderou o banco entre 2008 e 2011 e foi depois, até 2013, presidente não executivo, também não esqueceu os efeitos de "contaminação no sistema financeiro, em especial nos bancos que servem os mesmos clientes ou no caso de promover novos ‘benchmarks’, usados por auditores e supervisores para exigir um maior nível de cobertura às outras instituições do sistema".

 

Uma imparidade é constituída quando existem indícios de que o crédito concedido pelo banco não será pago e, por isso, é reconhecido como perdido. Com o reconhecimento da perda, o resultado é prejudicado inicialmente mas acaba depois por deixar de pesar na instituição financeira.

 

A CGD está a ser alvo de uma capitalização, acordada pelo ex-presidente António Domingues, pelo Governo e pela Comissão Europeia, de 5.160 milhões de euros, em grande medida para cobrir imparidades. Sendo o maior banco do sistema, o banco público acabou por ter influenciado a determinação das imparidades noutros bancos, nomeadamente o BCP.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pricemt Há 4 semanas

Esse principio sempre este plasmado nos diversos Planos de contabilidade, tudo o que vá além do que razoavelmente seja devido, tem termo técnico associado " Reservas Ocultas", que desobriga a mais explicações

Anónimo Há 4 semanas

O Royal Bank of Canada atribuiu hoje um preço alvo à NOS de 9€ ... aproveitem, que o mercado não acordou para esta Acção, vai subir no curto prazo com um previsível anuncio de um aumento do dividendo. BNs.

pub
pub
pub
pub