Empresas Faria de Oliveira: "Custo do BPN para o Estado rondará 2,7 mil milhões de euros"

Faria de Oliveira: "Custo do BPN para o Estado rondará 2,7 mil milhões de euros"

O custo da nacionalização do BPN para os cofres estatais deverá atingir um valor próximo dos 2,7 mil milhões de euros, de acordo com a informação hoje prestada aos deputados por Faria de Oliveira, presidente da CGD.
Lusa 01 de Junho de 2012 às 17:28
"O custo para o Estado andará à volta dos 2,7 mil milhões de euros", afirmou o banqueiro no decorrer da sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao BPN.

"Mais as contingências", acrescentou, explicando que "neste momento é muito difícil avaliá-los [os custos finais]".

Este montante é composto por 1.800 milhões de euros em imparidades dos veículos estatais que receberam os activos problemáticos do BPN (já reconhecidas no Orçamento de Estado de 2010), 600 milhões de euros relativos ao recente aumento de capital que antecedeu a venda do banco ao BIC (reflectidos nas contas do Estado de 2011) e entre 200 e 300 milhões de euros de imparidades adicionais.

"O reverso da medalha passa pela recuperação dos activos detidos pelas Pars [veículos estatais - Parparticipações, Parvalorem e Parups]", realçou Faria de Oliveira.

"Pode-se recuperar mais ou menos, depende do momento em que se faça a venda", explicou, acrescentando que essa decisão é uma competência exclusiva da Direcção-geral do Tesouro.




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 01.06.2012

expliquem-me como se fosse muito estúpido: então se o Estado português entregou ao BPN o dinheiro dos contribuintes para pagar aos credores, quem foram esses credores que precisavam de ser respeitados escrupulosamente??? Goldman Sachs, Citibank, I guess???

Anónimo 01.06.2012

A tenebrosa e mafiosa organização BPN vai custar a cada português , velho ou criança acabada de nascer a modica quantia de 3.000 Euros !!!! É obra tanta trafulhice para um povo pagar ... e o mal é que isto é uma gota do imenso lago onde nos atascaram! ... e ningúem é punido porque ou morrem ou prescreve

Anónimo 01.06.2012

se for 2,7mil milhões vezes 2 ou 3 ainda acredito, vem este agora enganar o povo. O teu amigo Conastâncio já te prometeu um tachito de assessor de qualquer porcaria? Desde já vos rogo uma praga que partam as duas pernas, isto para não ser mais radical!

É bom recordar ... 01.06.2012


Para que conste e seja sempre lembrado, recorde-se que os criminosos de colarinho branco, no saque do BPN, Oliveira e Costa, Dias Loureiro e Arlindo Carvalho foram colaboradores do personagem que habita no Palácio de Belém e por ele escolhidos a dedo para integrar os seus governos ...

Este facto não é nem pode ser, de modo nenhum, despiciendo nem menorizado.
Ele deve ter, para quem tem dois dedos de testa, muito significado.


ver mais comentários
pub