Banca & Finanças Febase antecipa negociações para aumentos de remunerações no BCP

Febase antecipa negociações para aumentos de remunerações no BCP

O BCP pode começar o próximo ano a discutir possíveis subidas salariais para os seus funcionários, de acordo com uma informação da Febase. O banco não faz comentários.
Febase antecipa negociações para aumentos de remunerações no BCP
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 19 de dezembro de 2017 às 16:51

O Banco Comercial Português (BCP) admitiu, aos sindicatos da Febase, estar disponível para negociar aumentos das remunerações pagas aos trabalhadores a partir do início do próximo ano.

 

"A disponibilidade para começar a dialogar, em princípio já no próximo mês de Janeiro, sobre a melhoria das remunerações dos trabalhadores do Millennium BCP, terá sido uma das principais conclusões da reunião havida esta tarde entre os sindicatos bancários constitutivos da Febase e a administração daquela instituição de crédito", indica uma nota, datada de 19 de Novembro, citada pelo Jornal Económico esta terça-feira.

 

Segundo a mesma nota, a alegada disponibilidade demonstrada pela equipa de Nuno Amado foi "registada com agrado pelos representantes dos sindicatos dos Bancários do Norte, do Centro e do Sul e Ilhas", que integram a federação Febase. 

 

Contactado, o banco que tem a Fosun como principal accionista não quis fazer comentários ao Negócios, pelo que não confirma se a disponibilidade existe, de facto, ou se a abertura é apenas para o diálogo com as estruturas sindicais. 

 

A Febase já tinha assinalado, em Julho, que queria debater aumentos salariais, depois do fim dos cortes salariais. Desde 2014 que o banco liderado por Nuno Amado tinha cortes salariais nos vencimentos superiores a 1.000 euros brutos mensais, por conta da ajuda estatal recebida em 2012, que impôs um plano de reestruturação na instituição financeira. 

 

Devido a esse corte, que terminou seis meses antes do previsto após a entrada da Fosun (que permitiu o reembolso da ajuda estatal), a gestão de Nuno Amado comprometeu-se com uma compensação aos trabalhadores. Foi esse compromisso que reiterou em Novembro passado: quando existirem resultados distribuíveis, haverá uma proposta de compensação aos funcionários visados. "Foi isso que foi acordado, os órgãos sociais não se esquecem disso. Seguramente, vão cumprir isso, com toda a certeza", afirmou, na altura.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Mais um sinal 19.12.2017

Da normalização da situação do BCP. Muito bem Dr. Nuno Amado. Muito bem.

comentários mais recentes
Anónimo 20.12.2017

Finalmente após 3 anos de cortes salariais, está mais que na hora de se verificar um ajuste salarial para os colaboradores do BCP tão fortemente penalizados ao longo dos tempos.

Anónimo 19.12.2017

Sim, sim, comecem desde já a distribuir... sim, sim

Mais um sinal 19.12.2017

Da normalização da situação do BCP. Muito bem Dr. Nuno Amado. Muito bem.

pub