Banca & Finanças Febase defende que BCP deve usar a “poupança” com a tomada firme na reposição de salários

Febase defende que BCP deve usar a “poupança” com a tomada firme na reposição de salários

O facto de o BCP dispensar a tomada firme no aumento de capital permitirá que o banco poupe um máximo de 35,1 milhões de euros. Este montante deve ser usado para repor os salários dos funcionários, defende a Febase.
Febase defende que BCP deve usar a “poupança” com a tomada firme na reposição de salários
Bloomberg

O nível de ordens de subscrição do aumento de capital do BCP deve permitir dispensar a utilização da tomada firme da operação. Ao que o Negócios apurou, a procura por novas acções registada até segunda-feira, 30 de Janeiro, permite antever que os bancos internacionais que se comprometeram a garantir o sucesso da oferta não terão de ficar com títulos da instituição liderada por Nuno Amado.

 

Ao não necessitar de activar o contrato de tomada firme negociado com um sindicato de cinco bancos, o BCP poderá poupar um máximo de 35,1 milhões de euros. Caso usasse esta rede de segurança, o banco teria de pagar "comissões no valor de até 35,1 milhões de euros (…), já considerando um eventual pagamento integral do ‘fee’ discricionário", como refere a instituição no prospecto da emissão.

 

A Febase "reclama que os 35,1 milhões de euros em comissões previstas no aumento de capital e que se prevêem não venham a ser despendidos que sejam utilizados integralmente na antecipação do fim da retenção salarial que os trabalhadores do BCP são alvo."

 

A federação adianta, em comunicado emitido esta terça-feira, 31 de Janeiro, que o valor em causa "permitiria antecipar substancialmente" a reposição dos salários dos funcionários do BCP, actualmente prevista para Julho.

 

Em causa está o fim dos cortes salariais entre 3% e 11% aos trabalhadores com remunerações mensais superiores a 1.000 euros a partir de 2014. A medida era temporária e mantinha-se até ao ano seguinte à data da devolução de todos os CoCos, obrigações híbridas do Estado, prevista para 2017. Agora, a eliminação das reduções salariais é prometida para Julho, ainda que também dependente do reembolso dos 750 milhões de euros nos instrumentos estatais, que o BCP quer fazer no primeiro semestre agora que a Fosun já é a sua maior accionista. 


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 31.01.2017


A geração rasca… de esquerda

PS - PCP - BE - e seus apoiantes - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos ladrões FP-CGA.

comentários mais recentes
Joao22 01.02.2017

A ser assim acho que o BCP deveria pensar nos acionistas e pq nao distribuir um dividendo aos pequenos acionistas por mais pequeno que seja.

LCGP 31.01.2017

Será que estes senhores fazem ideia quantos acionistas este banco levou à falência? Aumentos? Será que merecem? Qual o salário médio dos trabalhadores?deste de

Anónimo 31.01.2017

Só deve haver aumentos quando o Banco estiver em condições. 1º fortalecer a Instituição para os novos desafios e depois sim remunerar melhor os trabalhadores que merecerem.

Anónimo 31.01.2017


A geração rasca… de esquerda

PS - PCP - BE - e seus apoiantes - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos ladrões FP-CGA.

pub