Banca & Finanças Federação bancária europeia diz que bancos devem explicar às PME a recusa de créditos

Federação bancária europeia diz que bancos devem explicar às PME a recusa de créditos

A Federação Europeia de Bancos defende que estes devem dar informação às PME sobre os motivos que levaram à recusa de concessão de crédito.
Federação bancária europeia diz que bancos devem explicar às PME a recusa de créditos
Reuters
Lusa 14 de junho de 2017 às 20:50

A Federação Europeia de Bancos anunciou esta quarta-feira que adoptou princípios orientadores sobre a informação que os bancos devem prestar às pequenas e médias empresas (PME) quando estas pedem financiamento, sublinhando nomeadamente que devem indicar os motivos quando recusam dar crédito.

 

Segundo a informação divulgada pela Associação Portuguesa de Bancos, que pertence à federação europeia, estes princípios foram construídos em diálogo com a Comissão Europeia e organizações europeias de PME e definem que os bancos devem informar as PME sobre o que devem apresentar numa candidatura a um crédito e em linguagem compreensível e sobre os dados adicionais que podem melhorar o pedido de empréstimo.

 

Além disso, a federação europeia de bancos defende que estes devem dar informação às PME sobre os motivos que levaram à recusa de concessão de crédito.

 

"A banca tem um papel chave no apoio ao crescimento das empresas, através do crédito que concede, a par de outras fontes de financiamento complementares, que podem igualmente ser relevantes. Vemos, por isso, como natural que o sector bancário possa dar um contributo de carácter mais pedagógico para um reforço dos conhecimentos financeiros das empresas", disse em comunicado Faria de Oliveira, presidente da APB.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 15.06.2017

MAS AOS PATOS BRAVOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL QUE CONTINUAM A CONSTRUIR À BALDA E SEM QUALIDADE, PARA ESSES HÁ SEMPRE DINHEIRO DA CORJA BANCÁRIA.

Anónimo 15.06.2017

Portugal, jurisdição e economia tomada pelas forças anti-mercado que são responsáveis por todos os seus graves problemas económico-sociais, teve e tem lóbis muito nefastos que tudo fizeram para passar ao lado da realidade. Deu para esconder a podridão enquanto deu... Daqui para a frente cada vez haverá menos margem para tal. "600,000 jobs cut in the banking industry since 2008 financial crisis" www.ecofinagency.com/finance/1201-33230-600-000-jobs-cut-in-the-banking-industry-since-2008-financial-crisis

Conselheiro de Trump 14.06.2017

Se o banco nao tem dinheiro,vai ser 1 intermediario,quanto menos intermediarios houverem mais barato fica a quem precisa,assim sendo porque nao vao as pequenas e medias empresas,elas proprias ao BCE fazer os emprestimos mediante os projectos apresentados.1 banco e 1 insttuicao de proveito proprio.

pub