Telecomunicações Fernando Lima confirma reuniões com José Dirceu para discutir negócio da PT com Oi

Fernando Lima confirma reuniões com José Dirceu para discutir negócio da PT com Oi

O envolvimento do escritório de Fernando Lima, grão-mestre do Grande Oriente Lusitano e ex-presidente da Galilei, no negócio de fusão da PT e Oi foi confirmado pelo próprio ao procurador Rosário Teixeira.
Fernando Lima confirma reuniões com José Dirceu para discutir negócio da PT com Oi
Bloomberg
Negócios 22 de Novembro de 2016 às 10:51
O Ministério Público (MP) continua as investigações, no âmbito da Operação Marquês, ao negócio da PT com a Oi. Ouviu Fernando Lima, ex-presidente da Galilei (ex-SLN, dona do BPN) e grão-mestre do Grande Oriente Lusitano, que assumiu ter tido reuniões com José Dirceu (na foto), que fora braço direito de Lula e que se viu envolvido no caso Mensalão e Lava Jato.

As reuniões decorreram em 2007 e 2008 e, segundo avança o jornal i, Fernando Lima terá assumido na inquirição como testemunha que a fusão da PT com a Oi era o tema dos encontros, nos quais esteve também Henrique Granadeiro, então presidente da PT.

Fernando Lima terá, no entanto, dito na inquirição não saber que uma empresa ligada ao irmão de Dirceu tinha sede na morada do seu escritório Lima, Serra, Fernandes & Associados.

Essa sociedade teria sido criada pelo advogado João Serra, ligado ao irmão de Dirceu, Luiz Eduardo Oliveira e Silva. Fernando Lima declarou, ainda, que teria, no entanto, conhecimento de que dois dos seus colegas - José Pedro Fernandes e João Serra - tinham aberto uma sociedade no Brasil para exercerem actividades jurídicas. Estes dois advogados são, aliás, referidos como tendo também sido um ponto de contacto entre Dirceu e accionistas relevantes da PT. 

O jornal i escreve também que os escritórios de Fernando Lima receberam 500 mil euros de honorários da PT por serviços prestados. Esta avença e este envolvimento dos escritórios de Fernando Lima já tinham, aliás, sido noticiados pelo Público em 2012. Na altura, Fernando Lima confirmou a avença, tendo esclarecido que se destinou "a apoiar a PT no Brasil".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

A impunidade no meu País continua a ser a regra.
Não precisamos de um Trump mas precisamos de uma mudança de Sistema de Política .É óbvio

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Mas avisarem os obrigacionistas PT sobre essa operação esqueceram-se eles (nunca na vida investiria numa empresa brasileira).

Corruptos e incompetentes.

Anónimo Há 1 semana

A impunidade no meu País continua a ser a regra.
Não precisamos de um Trump mas precisamos de uma mudança de Sistema de Política .É óbvio

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub