Automóvel Fiat junta-se à BMW e à Intel para desenvolver carros autónomos

Fiat junta-se à BMW e à Intel para desenvolver carros autónomos

O consórcio liderado pela BMW e pela Intel quer ter veículos sem condutor a circular nas estradas até 2021. No final deste ano contam testar 40 carros autónomos.
Fiat junta-se à BMW e à Intel para desenvolver carros autónomos
Bloomberg
Negócios 16 de agosto de 2017 às 11:26
A Fiat Chrysler vai ser o novo membro do consórcio liderado pela BMW e pela Intel para desenvolver carros autónomos até 2021.

O líder da Fiat Chrysler, Sergio Marchionne, já tinha sublinhado que a indústria automóvel precisava de se unir para desenvolver a tecnologia dos veículos com condução autónoma devido aos custos elevados que o processo implica.

Agora, depois de se ter juntado a este consórcio, que sempre deixou claro que estava aberto à entrada de mais parceiros, Marchionne sublinhou que esta união vai "permitir que a Fiat Chrysler beneficie directamente de sinergias e poupanças em escala que só são possíveis quando as empresas se unem em torno de um objectivo e visão comuns".

Segundo a imprensa estrangeira, o memorando de entendimento para a Fiat se juntar a este consórcio, criado no ano passado, foi assinado esta quarta-feira, 16 de Agosto.

A Delphi também decidiu aliar-se ao consórcio da BMW e da Intel que espera no final deste ano ter 40 carros autónomos na estrada para teste.

Desde fornecedoras de tecnologia, operadoras de telecomunicações até aos próprios fabricantes de automóveis, são vários os "players" que estão a desenvolver sistemas para o futuro do sector automóvel. 

Com o mundo a olhar de perto para o desenvolvimento dos carros autónomos, projectos que estão a ser desenvolvidos a alta velocidade por gigantes como a Google, Audi, GM, Ford, Tesla e Apple, entre outros, ninguém quer perder esta oportunidade de negócio.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub