Imobiliário Financial Times dá cinco razões para viver no Chiado

Financial Times dá cinco razões para viver no Chiado

Cortar o cabelo enquanto se ouve jazz, tomar café n'A Brasileira, almoçar no Belcanto ou assistir a performances musicais no São Carlos são algumas das experiências com que o FT cativa quem pense viver no centro de Lisboa.
Financial Times dá cinco razões para viver no Chiado
Miguel Baltazar
Negócios 28 de agosto de 2017 às 13:39
Vinte e nove anos depois do incêndio que destruiu boa parte do Chiado, no centro de Lisboa, a área que se revitalizou e alberga hoje lojas de insígnias internacionais, habitação de topo e restauração inovadora, além do passado cultural de séculos, é agora um destino atractivo para investidores internacionais.

É para esses potenciais interessados que o Financial Times enumera as "Cinco razões para viver no Chiado, Lisboa", num artigo publicado no seu Property Listings, e em que desafia os leitores a passar "pela livraria mais antiga do mundo antes de cortar o cabelo num bar de jazz".

O bairro renascido pelas mãos do arquitecto Siza Vieira, depois do fogo de 25 de Agosto de 1988, é a primeira razão invocada pelo jornal britânico, que destaca os espaços públicos criados e os apartamentos construídos nos pisos superiores dos edifícios, um "refúgio residencial".

Depois, vem a gastronomia, com o exemplo do Belcanto, o restaurante de José Avillez, o primeiro em Lisboa a receber duas estrelas Michelin. Outros dois restaurantes deste chef, o Páteo e o Taberna, também são destacados.

O percurso sugerido pela publicação vira-se depois para a cultura e segue rua abaixo, até à livraria Bertrand, fundada em 1732, a que se junta uma passagem pel’A Brasileira, para a obrigatória fotografia ao lado da estátua de Fernando Pessoa sob o olhar do poeta Chiado, que dá nome à zona.

A vida cultural tem um dos seus expoentes no Teatro Nacional de São Carlos, onde se destacam as semanas em que, no Verão, o largo em frente se enche para as performances musicais e de dança do Festival ao Largo, exemplo do que o FT diz ser o quotidiano boémio do centro.

Ali ao lado, a sugestão é para uma visita ao Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, destacando as obras de Júlio Pomar ou João Pedro Vale como símbolos de contemporaneidade.

O dia-a-dia reserva ainda surpresas de "modernismo", como as d’O Purista Barbière, uma "bar-bearia" onde se pode cortar o cabelo e, ao mesmo tempo, beber uma cerveja ou ouvir jazz ao vivo.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Marcolino 29.08.2017

Terramoto, Tsunami, Incêndio, Derrocadas, Casas de madeira . 5 razões !

Mr.Tuga 28.08.2017

5 razoes:

É barato
É baratinho
É baratucho
É uma pechincha
São "peanurs"!

Anónimo 28.08.2017

mesmo bicho!!

Anónimo 28.08.2017

se fores um bicho que nem carro tem...