Empresas Financiamento do plano Juncker aos Laboratórios Basi cria 109 empregos em Viseu  

Financiamento do plano Juncker aos Laboratórios Basi cria 109 empregos em Viseu  

Os Laboratórios Basi vão receber um financiamento de 20 milhões de euros do BEI, no primeiro empréstimo directo a uma empresa portuguesa de média capitalização no âmbito do "Plano Juncker".
Financiamento do plano Juncker aos Laboratórios Basi cria 109 empregos em Viseu  
Negócios 04 de julho de 2017 às 17:01

O Banco Europeu de Investimento (BEI) vai conceder um empréstimo de 20 milhões de euros à empresa portuguesa Laboratórios Basi - Indústria Farmacêutica, naquele que é o primeiro empréstimo directo a uma empresa nacional de média capitalização no âmbito do Plano de Investimento para a Europa.

 

De acordo com um comunicado de Bruxelas, o dinheiro servirá para "financiar o desenvolvimento de uma nova unidade de produção para o fabrico de produtos de uso medicinal, nomeadamente soluções parentéricas, no município de Mortágua, distrito de Viseu". Bruxelas estima que este investimento financiado pelo BEI "venha a criar 109 novos postos de trabalho no distrito de Viseu".

 

O contrato foi já assinado, com Bruxelas a assinalar que "trata-se do primeiro empréstimo directo que o BEI concede a uma empresa portuguesa de média capitalização com o apoio do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE), pilar central do Plano de Investimento para a Europa, conhecido como ‘Plano Juncker’".

 

A Laboratórios Basi é uma empresa de média capitalização que se dedica ao desenvolvimento, fabrico e comercialização de medicamentos humanos e outros produtos farmacêuticos. Com este financiamento, a companhia portuguesa "aumentará a capacidade de produção" e "irá acelerar o crescimento" e "fomentar a sua internacionalização, através do aumento da sua capacidade de exportação".

 

Carlos Moedas, comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, declarou que "as operações aprovadas até à data em Portugal ao abrigo do Plano Juncker já ultrapassaram os 1.200 milhões de euros, devendo mobilizar cerca de 4.000 milhões de euros de investimentos que irão dinamizar a economia. Esta operação mostra como o financiamento da UE apoia empresas inovadoras em Portugal, cria emprego e melhora a saúde pública".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 05.07.2017

BASI... CHEIRA-ME A TRAMBIQUICE...!!!

laranjinha 04.07.2017

Ainda bem para Mortágua, pois na Guarda o Amaro faz propaganda mas empregos criados zero e perdidos milhares.

pub