Banca & Finanças Finantia aumenta lucros para 30,7 milhões

Finantia aumenta lucros para 30,7 milhões

O Banco Finantia lucrou 30,7 milhões no ano passado, mais 11% do que em 2015. Esta subida reflectiu a queda dos custos operacionais e das imparidades, compensando a descida dos proveitos bancários.
Finantia aumenta lucros para 30,7 milhões
Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago 09 de março de 2017 às 16:55

Os lucros do Banco Finantia atingiram 30,7 milhões de euros no ano passado, o que representa um aumento de 11% face a 2015, de acordo com o comunicado divulgado esta quinta-feira, 9 de Março, pela instituição controlada por António Guerreiro (na foto). Esta evolução foi possível graças à redução dos custos operacionais e das imparidades.

 

Os gastos recuaram 8,87%, para 22,6 milhões de euros. Já as imparidades e provisões diminuíram para menos de metade do valor registado em 2015, fixando-se em 14,7 milhões de euros.

 

O corte de custos e de imparidades mais do que compensou a queda dos proveitos bancários. A margem financeira caiu 8,61%, para 60,5 milhões, enquanto as comissões líquidas se situaram em 19,4 milhões, menos 20,1% do que em 2015.

 

Em termos de negócio, os depósitos de clientes aumentaram 9%, para 740,4 milhões de euros, em linha com "a estratégia de uma maior diversificação das fontes de financiamento", que permitiu eliminar a necessidade de levantar recursos junto do Banco Central Europeu. Já a carteira de títulos e créditos aumentou 5,9%, para 1.631 milhões, enquanto as operações de financiamento descontinuadas recuaram 45% para 28,6 milhões.

 

Durante o ano passado, os resultados gerados e a gestão do balanço permitiu aumentar o rácio de solidez mais exigente ("common equity tier one") para 23,6%, contra os 22,3% registados no final de 2015.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub