Banca & Finanças FMI: 25% dos bancos nos países ricos são doentes crónicos

FMI: 25% dos bancos nos países ricos são doentes crónicos

A banca está de novo a passar mal, em parte devido às taxas de juro nulas fixadas pelos bancos centrais. Mas um quarto do sector não recuperaria apenas com mais crescimento e juros positivos. E o problema é especialmente grave na Zona Euro, onde é preciso consolidar o sector. Seguradoras também estão frágeis. Os alertas são do FMI.
FMI: 25% dos bancos nos países ricos são doentes crónicos
Bloomberg
Eva Gaspar 05 de Outubro de 2016 às 13:45

Um quarto da actividade bancária no mundo desenvolvido não recuperaria margens de rentabilidade capazes de garantir a sua viabilidade a prazo em caso de mera melhoria da conjuntura económica global que conduzisse a uma subida das taxas de juro.

Neste universo significativo da banca, que representa cerca de 11,7 biliões de dólares de activos (10,4 biliões de euros) e se concentra nos países da Zona Euro, a doença é mais estrutural – a quebra das margens de lucro não pode ser apenas explicada pelos juros nulos ou mesmo negativos fixados pelos bancos centrais para tentar animar a actividade económica, nem por exigências regulatórias, que obrigaram os bancos a fazerem maiores reservas de capital. Nestes 25%, é preciso fazer "reformas profundas", uma gestão orientada para o controlo de riscos sistémicos e, nalguns casos, "a solução será a saída de bancos frágeis e o redimensionamento de sistemas bancários". 


Os alertas e as recomendações são do Fundo Monetário Internacional (FMI) e constam do Relatório que avalia a Estabilidade Financeira ("Global Financial Stability Report") divulgado nesta quarta-feira, 5 de Outubro. 

"Os bancos precisam de se adaptar a esta nova era de baixo crescimento e baixas taxas de juros", até porque uma recuperação cíclica não resolverá o problema da baixa lucratividade: "mais de 25% dos bancos nas economias avançadas continuariam em situação frágil e enfrentariam sérios desafios estruturais".

 

O relatório fecha o foco, em particular, sobre a Zona Euro, onde o FMI diz serem necessárias "medidas urgentes e amplas", desde logo para reduzir o volume de crédito malparado.

"Reformas que acelerem a recuperação de activos e facilitem os processos de insolvência trariam enormes benefícios. Para o conjunto da área do euro, o impacto líquido de capital da venda da carteira de empréstimos improdutivos seria a transformação de uma perda de cerca de 80 mil milhões de euros num ganho de cerca de 60 mil milhões", calcula a instituição sedeada em Washington.

Aumentar a eficiência operacional através da racionalização da rede de agências, juntamente com melhorias na composição e no custo de financiamento, produziria melhorias nas despesas globais dos bancos da ordem de cerca de 40 mil milhões.

 

Outro sector em risco é o segurador. "Um período prolongado de baixas taxas de juros ameaça a solvência de muitas companhias de seguros de vida e fundos de pensão", agravando problemas que decorrem do envelhecimento da população e do retorno reduzido sobre os activos.  "O crescimento persistentemente baixo e as baixas taxas de juros geram desafios significativos para as instituições de investimento e poupança de longo prazo. Os reguladores e supervisores devem agir sem demora para preservar a solidez dos balanços desse segmento, inclusive através da identificação de riscos de insolvência e défices de financiamento a médio prazo", recomenda o FMI.

Juros baixos – até quando?

Embora o FMI afirme que uma política monetária acomodatícia continue a ser necessária para apoiar a recuperação, avisa que alguns instrumentos, como as taxas de juros negativas, "estão a chegar ao limite da sua eficácia", numa altura em que bancos e outras instituições financeiras se ressentem cada vez mais dos seus efeitos colaterais.

Neste quadro, é hora dos governos agirem. "Urge implementar políticas orçamentais e reformas estruturais que estimulem a confiança e elevem o crescimento mundial, bem como aplicar políticas macroprudenciais que reforcem os alicerces do sistema financeiro global".

Esta combinação de políticas "poderia ajudar a evitar um processo de estagnação financeira e económica" que poderá provocar uma perda do produto mundial de cerca de 3% até 2021, calcula o FMI.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Daniel Beja Há 4 semanas

Quando é que o FMI mete pessoas competentes, com visão para o futuro.
O FMI tem de pensar que o dinheiro está cada vez mais nas mãos de apenas alguns, isso significa que o oleo da economia mundial que é o povo, está a ficar sem dinheiro real, para fazer a economia funcionar, ou seja estamos perto da falência mundial.

comentários mais recentes
Antonio Roxo Matias Há 4 semanas

Sim, tem razão, porque dos Países pobres que fingem que não o são, é mais de 75%...

Pedro Marques Há 4 semanas

25% Só hahaha

Anónimo Há 4 semanas

TALVEZ TIVESSE EXAGERADO(secalhar ate nao) QUANDO DISSE QUE TINHAMOS MAIS BANCOS QUE DINHEIRO.Mas hoje posso dizer que temos mais bancos que taxas de juros,e a diferenca vai acentuar-se ainda mais.OS bancos saudaveis do norte da Europa preparam-se antecipadamente,FINOS.

Francisco António Há 4 semanas

Madamme Lagarde em sempre razão ! Mesmo quando não tem ! Se está isenta de impostos...é porque tem a faca e o queijo nas mãos. ! O resto...

ver mais comentários
pub