Empresas Fnac cresceu em Portugal e Espanha em 2016

Fnac cresceu em Portugal e Espanha em 2016

O resultado do grupo francês aumentou mais de 7% na Península Ibérica e mais de 20% a nível global.
Fnac cresceu em Portugal e Espanha em 2016
Jorge Paula/Correio da Manhã
Negócios 13 de abril de 2017 às 16:00
O resultado operacional corrente anual da Fnac cresceu em Portugal e Espanha em 7,4% em 2016 com a ajuda das vendas da loja online.

"Na Península Ibérica, a actividade do grupo obteve vendas estáveis face a uma intensidade promocional forte, tanto em Portugal como em Espanha" disse a empresa em comunicado divulgado esta quinta-feira, 13 de Abril.

A empresa não fornece nem valores absolutos nem valores desagregados para os países ibéricos. A Fnac chegou a Portugal em 1998, tendo actualmente 24 lojas espalhadas por todo o país. Já em Espanha conta com 27 lojas no total.

Ao nível do grupo Fnac, o resultado operacional corrente do grupo a nível internacional cresceu 23% no ano passado para 203 milhões de euros, "motivado pelo crescimento da actividade, de uma taxa bruta bem controlada, da execução adequada dos planos de redução de cursos e da implementação das primeiras sinergias". Já o volume de negócios cresceu 1,9% em 2016 para 7.418 milhões de euros.

A Fnac comprou a Darty no final de 2015 por 858 milhões de euros, empresa que vende electrodomésticos para o lar. Fazendo um balanço, a empresa diz que a "conseguiu um ótimo desempenho comercial, o processo de integração da própria Darty avançou rapidamente, revelando um impacto favorável de sinergias no valor de 9 milhões de euros no resultado operacional corrente face a 6,5 milhões de euros inicialmente previstos". O grupo diz que atingiu poupanças de custos de 130 milhões de euros, um ano antes do que tinha previsto.

A empresa francesa está actualmente presente em 8 países: França, Espanha, Portugal, Brasil, Bélgica, Suíça, Marrocos e Qatar.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub