Automóvel Foram vendidos mais de 200 mil veículos em Portugal até Setembro

Foram vendidos mais de 200 mil veículos em Portugal até Setembro

Setembro é mais um mês com crescimento na comercialização de veículos, ainda que a um ritmo inferior ao dos nove meses de 2017. Vendas até Setembro são mais de 8% superiores às do ano anterior, segundo a ACAP.
Foram vendidos mais de 200 mil veículos em Portugal até Setembro
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 02 de outubro de 2017 às 19:27

Os primeiros nove meses do ano foram positivos para a venda de automóveis, ainda que tenha havido uma desaceleração em Setembro. Foram alienados mais de 200 mil veículos no período entre Janeiro e Setembro deste ano, de acordo com os dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

 

"Em termos acumulados, de Janeiro a Setembro de 2017, o mercado de veículos automóveis novos cifrou-se em 202.575 unidades, o que representou um crescimento homólogo de 8,3%", assinala a nota enviada esta segunda-feira, 2 de Outubro. No mesmo período do ano passado, tinham sido matriculadas 187.082 novas unidades.

 

Para a variação dos primeiros nove meses contou, sobretudo, a venda de ligeiros de passageiros, que representa grande parte do mercado. O crescimento nesta rubrica de veículos foi de 7,9% de Janeiro a Setembro, com uma subida mais pronunciada, de 10,5%, nos comerciais ligeiros. Os pesados também registaram um aumento: 9,5% para um total de 3.894 veículos.

 

Olhando para os dados da ACAP, o avanço unicamente no mês de Setembro foi de 4,4% para um total de 18.215 unidades vendidas no mercado nacional, um crescimento menos expressivo do que na totalidade dos nove meses. A desaceleração foi em todas as categorias de veículos. 

 

Estes números dizem respeito às vendas de automóveis (novas matrículas) e não à produção automóvel. Além da recuperação económica, que melhora o rendimento disponível das famílias, o crescimento do turismo tem permitido a expansão das vendas de automóveis.

 

Como diz Pedro de Almeida, da SIVA, ao Negócios e à Antena 1, o negócio tem sido dinamizado pelo ramo de ‘rent-a-car’ cujo avanço, contudo, não vê como sustentado.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

credit brute force?

General Ciresp Há 2 semanas

Ontem esteve o ceo da volkswagem junto de vos a dizer que ja nao sabe onde para parte dos carros intoxicados da marca.Se ele passar pelo cemiterio dos bancos deve encontrar la os que diz nao saber onde param.A gerigonca bombeia a divida publica por um lado,e os bancos bombeiam a divida privado por

pub
pub
pub
pub