Banca & Finanças Fosun entra no BCP a 1,1089 euros e passa a ser o maior accionista

Fosun entra no BCP a 1,1089 euros e passa a ser o maior accionista

A administração do BCP deu aval à entrada do grupo chinês. O aumento de capital particular, que permitirá ficar com 16,7% do banco, representa um investimento de 175 milhões. A Fosun não pode sair durante três anos do banco.
Fosun entra no BCP a 1,1089 euros e passa a ser o maior accionista
O grupo liderado por Guo Guangchang vai passar a ser o maior accionista do BCP

O Banco Comercial Português já aprovou a entrada da Fosun no seu capital. O conglomerado chinês passa a principal accionista, com 16,7%. O passo foi possível depois da autorização dada pelo Banco Central Europeu.

 

Segundo apurou o Negócios, o conselho de administração do BCP, órgão onde têm assento os principais accionistas (Sonangol, Sabadell, EDP), aprovou o acordo para a entrada da Fosun por unanimidade.

 

A entrada no banco liderado por Nuno Amado é concretizada através de um aumento de capital reservado ao grupo que detém a Fidelidade e a Luz Saúde em Portugal. Na operação, a Fosun paga 1,1089 euros por cada acção do BCP, num esforço de 175 milhões de euros. No final, o investidor fica com 16,7% do capital e assume o lugar de maior accionista do BCP, até aqui ocupado pela angolana Sonangol.

 

O preço por acção do aumento de capital encontra-se 26% abaixo do preço máximo que a Fosun tinha assumido vir a pagar (1,5 euros por acção) quando, a 29 de Julho, foi revelado o anúncio. Assim, o investimento é de 175 milhões, abaixo dos 236 milhões de euros definido como valor máximo nesta fase do investimento. A cotação do aumento de capital reservado à Fosun é 11% inferior aos 1,249 euros a que o banco encerrou a sessão de sexta-feira.

 

A aprovação por parte do conselho de administração foi possível depois da autorização do Banco Central Europeu em relação à aquisição de uma participação qualificada no BCP pela Fosun. Esta era uma das sete condições impostas pelo grupo em Julho que ainda estava por cumprir, a par da subida dos limites de voto. Esta última continua por resolver.

 

A assembleia-geral do BCP que iria aprovar o aumento dos limites aos direitos de voto de 20% para 30% estava agendada para 21 de Novembro mas foi adiada para 19 de Dezembro. Sabe-se que a Sonangol pediu também autorização ao BCE para subir a fasquia dos 20% mas ainda não houve uma resposta. 

 

Fosun fica pelo menos três anos 

 

Esta participação qualificada da Fosun vai ter de manter-se por três anos, já que este é o período em que as acções ficam bloqueadas no âmbito do acordo entre o grupo e o banco privado.

 

Segundo sabe o Negócios, o grupo chinês, autorizado a ficar com 16,7% do capital, mantém e reforça a intenção de ascender a 30% do capital. O que, neste momento, ainda não é possível, tendo em conta o adiamento da assembleia-geral.  

 




A sua opinião28
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

Ao Zé Tramado: para já, ninguém vende aos chineses, o que vai acontecer é uma aumento do capital do BCP exclusivamente para os chineses. Após esse aumento de K, os chineses ficarão com 16,7%. Depois disso, para chegarem aos 30%, das 2, 1: compram ações aos atuais acionistas na bolsa ou fora dela (e isto já não tem nada a ver com o BCP; é um negócio entre acionistas) ou então o BCP repete esta operação (que só num país de opereta com governantes relapsos e supervisores - BCP e CMVM - indigentes e ou corruptos é que acontece) que é o BCP fazer aumentos de capital atropelando os interesses legítimos dos acionistas, especialmente os pequenos. Note-se que hoje o que as notícias dizem é que a coisa foi negociada e decidida pela administração. É curioso: administradores são trabalhadores de uma empresa; não são donos. Palpita-me que dentro de alguns anos ainda teremos a cena - da prache - em que ficaremos todos muito surpreendidos com o estoiro da bomba sobre esta negociata e lances manhosos

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

tudo feito para liquidar os pequenos Accionistas, desde a troca de Obrigações por acções a cotação caiu a pique, o garoto dizia,um par de trimestres para a cotação subir ao seu valor, o mesmo garoto que tudo fazia para ela descer cada vez mais, pagando para sairem noticias que a isso ajudassem garo

Anónimo Há 2 semanas

Por este andar parece que vão varrer os pequenos accionistas como o sr. Costa mais o sr. Centino fizeram no BANIF, deram o banco ao SANTANDER e deixaram os peq. investidores cheios de títulos a 0,0 €, vigarice atrás de vigarice.

J. SILVA Há 2 semanas

II- O que faz com 175 M, nem para o cobrir prejuízos de 2016. A fosun diz que vai pagar os COCOS, como :i-
aumento de capital ? Duvido , mas a ocorrer não deixa de ser irónico, dão o banco e exigem capital ii - A solução vai ser vender o BCP Polaco . Gestão e acion. de ref.ª bestas.

J. SILVA Há 2 semanas

I- A FOSUN comprou co desconto de 12% face à cotação de fecho de 6ª feira. A cedência foi de tal ordem, que se a cotação tivesse baixado para tanto, tinham oferecido a participação. Isto é um cambalacho criminoso e não há alma das instituições, banqueiros, financeiros que exprimam indignação.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub