Banca & Finanças Fosun entra no BCP com elogios à gestão e aos accionistas

Fosun entra no BCP com elogios à gestão e aos accionistas

O grupo chinês compra 16,7%, torna-se o maior accionista e ainda quer subir até aos 30%. É o "início de uma jornada com vista a dotar o banco de condições que permitam tirar partido do seu enorme potencial”, assinala o grupo chinês.
Fosun entra no BCP com elogios à gestão e aos accionistas
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 20 de novembro de 2016 às 12:44

A Fosun vai entrar no BCP por 175 milhões e ocupará o lugar de maior accionista do banco. No âmbito desse movimento, o grupo chinês deixa elogios à administração, com quem fechou o acordo, e aos restantes accionistas que, no conselho, aprovaram o investimento da Fosun.

 

"Sem a enorme determinação da administração do BCP e o apoio dos accionistas de referência do banco não teria sido possível enfrentar a complexidade desta operação", indica a Fosun em nota oficial depois de anunciado o entendimento que dá aos chineses 16,7% do banco.

 

A intenção de entrar na instituição financeira portuguesa foi demonstrada em Julho e, desde aí, têm vindo a ser satisfeitas as condições que a Fosun colocou para concretizar o seu investimento. Algumas dessas condições, como a realização do reagrupamento de acções, tiveram de ter o aval da administração. Da mesma forma, os accionistas de referência, Sonangol, Sabadell e EDP, também deram a sua aprovação, mesmo com as respectivas posições a diluírem.

 

"A Fosun corresponderá a esta manifestação de boas-vindas através de um apoio activo na formulação de propostas de valor para o robustecimento do banco e desenvolvimento da sua estratégia de longo prazo", indica o grupo que, em Portugal, já detém a Fidelidade e a Luz Saúde. 

 

Não são dados pormenores específicos sobre que propostas podem ser essas, ainda que haja a indicação de um acordo na área dos seguros, mas não no mercado nacional no longo prazo. "Considerando as sinergias e oportunidades de desenvolvimento de negócio, o memorando de entendimento prevê a existência subsequente de conversações para, em condições de mercado e sem compromisso de resultados, estabelecer acordos de longo prazo de distribuição de seguros fora de Portugal", indica o BCP no seu comunicado. Em Portugal, a Fosun detém a Fidelidade e o BCP tem parceria com a Ocidental e o Negócios já tinha revelado que a Fidelidade estaria fora deste entendimento, para não alterar as parcerias dos dois grupos.

 

"A entrada da Fosun no capital do BCP representa um passo importante para a consolidação da estratégia de internacionalização do Grupo Fosun", revela ainda o conglomerado chinês, antecipando que este é o "início de uma jornada com vista a dotar o banco de condições que permitam tirar partido do seu enorme potencial".

 

O grupo adquiriu, por 175 milhões de euros, uma participação de 16,7% no BCP. Mas mantém e reforça a intenção de chegar aos 30%. 


A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 20.11.2016

Os chineses se não forem forretas bem podem distribuir 20 ou mais milhões pela administração que tão bem agenciou este negócio em seu - gordo - benefício.

comentários mais recentes
Anónimo 23.11.2016

até eu elogiava, tal não foi a oferta que receberam, vendo bem isto é o mesmo esquema criado para o banif, o BES, e outros, roubar tudo aos pequenos investidores que foram na conversa e confiaram nos garotos que a safadeza que tinham em mente era depois deixa-los sem nada, está feito o garoto conseg

pertinaz 21.11.2016

O PREÇO ATÉ PODE SER BAIXO

MAS SÓ CHINESES E ANGOLANOS É QUE METEM CÁ DINHEIRO

VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

pastores 20.11.2016

Como é possivel? Isto é uma afronta a quem investiu no BCP nos ultimos aumentos de capital. 175 milhoes de euros os atuais acionistas nao acompanhavam? O CA nada tem a dizer sobre esta destruição de valor? Tristeza e vergonha por ser accionista do BCP.

JCG 20.11.2016

Os chineses se não forem forretas bem podem distribuir 20 ou mais milhões pela administração que tão bem agenciou este negócio em seu - gordo - benefício.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub