Empresas Fosun pondera vender participação na produtora Studio 8

Fosun pondera vender participação na produtora Studio 8

O grupo chinês, que avalia a empresa em mil milhões de dólares, ainda não está em conversações formais com potenciais compradores, segundo a Bloomberg.
Fosun pondera vender participação na produtora Studio 8
Reuters
Negócios 26 de dezembro de 2017 às 11:21

A Fosun está a ponderar vender a sua participação na produtora de cinema Studio 8, não tendo, porém, iniciado conversações formais com potenciais compradores, avança a Bloomberg esta terça-feira, 26 de Dezembro.

Segundo a agência noticiosa, os accionistas chineses do BCP têm uma participação de 80% na Class A Investors do Studio 8 que, por sua vez, detém 60% da empresa. A Fosun avalia a produtora em mil milhões de dólares (cerca de 843 milhões de euros).

O conglomerado, que tem participações no Club Med e no Cirque du Soleil, está entre as empresas com uma estratégia aquisitiva mais agressiva da China, e que têm estado sob o escrutínio dos reguladores.

Este mês, o grupo liderado por Guo Guangchang (na foto) entrou em negociações exclusivas para adquirir a empresa italiana de lingerie La Perla e fechou a compra de uma participação na chinesa Tsingtao Brewery Co.

A produtora Studio 8, criada em 2014, foi o resultado de uma parceria entre a Fosun e a Sony Pictures Entertainment Inc, que se comprometeu a distribuir até seis filmes por ano. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ciifrão Há 3 semanas

Comprar tudo o que mexe e não mexe talvez resulte enquanto não tenha de se pagar aos credores, quando a dívida não puder ser paga com mais dívida - como acontecerá um dia a Portugal - vai ser trágico para estas empresas.