Tecnologias França e Alemanha querem acabar com fuga aos impostos de tecnológicas

França e Alemanha querem acabar com fuga aos impostos de tecnológicas

Os dois países vão juntar esforços para conseguir alinhar os diferentes sistemas fiscais da Zona Euro e assim evitar situações em que gigantes tecnológicas tirem partido de benefícios fiscais, assim como aconteceu com a Apple na Irlanda.
França e Alemanha querem acabar com fuga aos impostos de tecnológicas
Reuters
Negócios 07 de agosto de 2017 às 10:52

França está a trabalhar com a Alemanha para eliminar as falhas que possibilitaram que gigantes tecnológicas como a Google, a Apple, a Amazon ou o Facebook minimizassem os seus impostos e conquistassem quota de mercado na Europa.

Segundo a agência Bloomberg, França irá propor "regras mais simples" para uma "tributação real" das empresas de tecnologia numa reunião com países da União Europeia, em meados de Setembro, na Estónia, contestando a capacidade das grandes tecnológicas em transferir lucros para locais onde eles são tributados de forma mais vantajosa.


A confirmação foi dada pelo ministro das Finanças francês Bruno Le Maire, que se queixa da lentidão das diferentes iniciativas à escala comunitária. "A Europa tem de aprender a defender os seus interesses económicos com mais firmeza. Não se pode tirar proveito de negócios em França ou na Europa sem pagar os impostos que outras empresas – francesas ou europeias – estão a pagar", afirmou.


No ano passado, Bruxelas anunciou que a Apple pagaria até 13 mil milhões de euros porque a Irlanda teria reduzido, de forma ilegal, as obrigações da fabricante do iPhone, atraindo a empresa para o país. Tanto a Apple como o governo irlandês estão a contestar a decisão.


Esta vontade de aplicar novas regras sobre os impostos faz parte de uma abordagem do novo presidente francês, Emmanuel Macron, para garantir igualdade de circunstâncias para as empresas gaulesas, que competem com outros países com impostos e segurança social mais baixos. Assim, a sua intenção é a de aplicar o esforço aos 19 países da Zona Euro, alinhando os diferentes sistemas fiscais.


Se França está a fazer um esforço para reduzir impostos, "pedimos a outros Estados membros da Zona Euro que façam um esforço similar na outra direcção", apelou Le Maire. A aliança com a Alemanha pretende, nesse sentido, alcançar uma convergência mais ampla.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

A propósito de Igrejas e de optimizações fiscais... John Oliver https://www.youtube.com/watch?v=7y1xJAVZxXg é esta a realidade da classe média que se farta de trabalhar e tem de pagar 50% do seu trabalho em impostos...

Esperto Santo Há 1 semana

E para quando as igrejas a pagar impostos ? Basta olhar para a vida sumptuosa, património e afins de toda essa comunidade de abutres chupistas, para imaginar quanto dinheiro entra sem qualquer controlo por parte do fisco. Vivem à conta de quem trabalha e ninguém lhe diz absolutamente nada.

Anónimo Há 1 semana

Eles tratam de colocar tudo na Inglaterra na Ilha de Man ou na lua...

pub
pub
pub
pub