Empresas França vai acelerar privatizações em 2018

França vai acelerar privatizações em 2018

De acordo com o Financial Times, o Estado deverá vender parte das suas participações para financiar um "ambicioso" plano de despesas.
França vai acelerar privatizações em 2018
POOL
Negócios 03 de janeiro de 2018 às 08:40

O presidente francês Emmanuel Macron deverá acelerar as privatizações em 2018, para financiar um aumento da despesa pública, adianta o Financial Times esta quarta-feira, 3 de Janeiro.

De acordo com a publicação, França tem participações em 81 empresas francesas, que totalizam 100 mil milhões de euros, em áreas tão distintas como a defesa e a indústria automóvel.

As participações na energética Engie e na Française des Jeux deverão ser alienadas este ano, sendo que alguns analistas sugerem que o Estado também se deverá desfazer de parte da sua participação na empresa de telecomunicações Orange.

No entanto, e de acordo com o FT, a Aéroports de Paris (ADP) – operadora dos aeroportos de Orly e Charles de Gaulle – é o grande foco, na medida em que várias fontes adiantaram que o Bank of America e o Merrill Lynch já estão a analisar opções para a sua venda. O Estado detém 50,6% da ADP, que tem uma capitalização bolsista de 15,6 mil milhões de euros.

A agência estatal responsável pelas participações do Estado diz, contudo, que o "governo ainda não tomou qualquer decisão sobre possíveis mudanças no capital da ADP".

Fonte do governo, citada pelo FT, garantiu que "se o Estado diminuir as suas participações, irá assegurar que essas empresas não vão parar a mãos fora da UE ou de França".

Recentemente, o Estado vendeu uma fatia de 4% na Engie por 1,5 mil milhões de euros, reduzindo a sua participação para 25,5%, e 5% na Renault por 1,2 mil milhões de euros, diminuindo a sua posição para 15,1%. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub