Media Francisco Pedro Balsemão: "Não deixaremos de apostar no papel"

Francisco Pedro Balsemão: "Não deixaremos de apostar no papel"

O CEO da Impresa falou esta sexta-feira, 20 de Janeiro, no Palácio da Bolsa, no Porto, sobre o estado da comunicação social e diz não acreditar na distinção entre novos media e meios tradicionais.
Francisco Pedro Balsemão: "Não deixaremos de apostar no papel"
Miguel Baltazar/Negócios
Alexandra Noronha 20 de janeiro de 2017 às 16:17

Francisco Pedro Balsemão, CEO da Impresa, disse esta sexta-feira, 20 de Janeiro, durante um almoço no Palácio da Bolsa, no Porto, que o grupo a que preside não vai "deixar de apostar no papel".

O empresário salientou que discorda de "fatalistas que dizem que determinado meio vai acabar" salientado que "todos podem coexistir desde que se adaptem". E realçou a importância do digital, mas negou que as publicações em papel estejam fadadas a desaparecer, dando o exemplo da Impresa. "O Expresso já factura quase um milhão de euros por ano com as vendas digitais dos seus produtos diários e semanais, e a Impresa tem 45% do mercado de circulação digital paga, mas não deixaremos de apostar fortemente no papel", garantiu o CEO do grupo que detém o Expresso, a SIC e Visão, entre outros títulos.  


Balsemão disse ainda que não concorda com a distinção entre entre novos media e meios tradicionais preferindo falar em media "bons e maus". E garantiu que só são bons "os que forem economicamente independentes". "A palavra tradicional, neste contexto, é usada num sentido pejorativo, um sinónimo de antigo, jurássico e, consequentemente, algo sem futuro", explicou o líder da Impresa. Para o empresário, "nunca se falou tanto sobre o papel dos media e dos jornalistas na sociedade como agora: quando os jornalistas se tornam objecto de notícias diárias isso é sinal de que o mundo está ao contrário". 


Francisco Pedro Balsemão não esqueceu as notícias falsas que têm dominado ciclo noticioso, sobretudo durante as eleições nos EUA. "Convenhamos que sempre existiram notícias falsas, por incompetência ou malícia de jornalistas, editores ou proprietários de empresas de comunicação social. Mas a facilidade de transmissão de informação via Internet, a perícia dos malfeitores e a credulidade do público em geral possibilita a criação de verdadeiras campanhas que podem arrasar a reputação de alguém ou ajudar a eleger um presidente de uma grande potência mundial", referiu Balsemão.


O empresário assumiu a presidência da Impresa no início de 2016, substituindo Pedro Norton.  




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 21.01.2017

GRANDE ESTRELA

piu 20.01.2017

estas accoes estao a bater o minimo historico, e se virem o grafico , vao disparar para breve,quando a virem nos 0.80 depois arrependem se

Anónimo 20.01.2017

Muito bem meu amigo: Vai um recado para o papá, as açoes da impresa, não valem nada, é preciso chegar-lhe um pouco de gaz, ou então queimam-se duma vez. Elas nem fazem amor, nem deixam fazer.

Malibu 20.01.2017

Viste isso no tarot ou na bola de cristal?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub