Empresas Frasquilho espera reforço de empresas japonesas em Portugal em diversas áreas

Frasquilho espera reforço de empresas japonesas em Portugal em diversas áreas

O presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) fez esta sexta-feira um balanço positivo do 'roadshow' de captação de investimento ao Japão e disse esperar "um reforço de empresas japonesas em Portugal em diversas áreas".
Frasquilho espera reforço de empresas japonesas em Portugal em diversas áreas
Pedro Elias/Negócios
Lusa 17 de fevereiro de 2017 às 18:16
Miguel Frasquilho deslocou-se ao Japão, entre 12 e 15 de Fevereiro, no âmbito de um 'roadshow' [apresentação] para a captação de investimento para Portugal.

"Vim bastante animado, o balanço é bastante positivo", afirmou o presidente da AICEP, adiantando esperar que "em breve" sejam conhecidos "alguns contornos desta insistência/persistência" no mercado japonês.

"Estou à espera de um reforço de empresas japonesas em Portugal em diversas áreas. Estou à espera de sinais concretos e positivos", acrescentou Miguel Frasquilho.

No âmbito do 'roadshow', o presidente da AICEP reuniu-se com empresas e conglomerados japoneses que já estão presentes em Portugal e ainda com algumas empresas nipónicas que ainda não estão no mercado português.

"Houve de tudo e a recepção que tivemos foi muito boa", garantiu.

O presidente da AICEP reuniu-se ainda com o grupo parlamentar Amizade Japão-Portugal.

Frasquilho salientou que existe uma "boa relação" entre o Japão e Portugal, com intenção de "aprofundar as relações", recordando que no próximo ano assinala-se os 475 anos da chegada dos marinheiros portugueses àquela região.

Actualmente, a AICEP conta com seis pessoas no Japão, sendo um deles um director FDI, ou seja, especialista de captação de investimento.

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 17.02.2017

Nunca foi minha intencao de barrar o caminho aos mais diminuidos.Prometo que daqui para a frente ser mais manso,manso no sentido de os deixarem ir a frente.Nunca tinha pensado nisso.

Anónimo 17.02.2017

Se houver investimento tanto melhor para o País, há que evitar opiniões nazientas de conselheiros "Trumpalhões".

Conselheiro de Trump 17.02.2017

Parece-me que e mais facil o frasquinho chegar a garrafao do que os estrangeiros investirem num pais comunista.

pub
pub
pub
}
pub