Empresas Fundador quer comprar dona do Pokerstars por 6,7 mil milhões de dólares

Fundador quer comprar dona do Pokerstars por 6,7 mil milhões de dólares

David Baazov quer comprar o grupo de jogos online que fundou. O negócio surge depois do cancelamento da fusão com a britânica William Hill.
Fundador quer comprar dona do Pokerstars por 6,7 mil milhões de dólares
Bloomberg
Negócios 14 de Novembro de 2016 às 13:01
O fundador e ex-presidente do grupo de jogo online Amaya lançou uma oferta para comprar a totalidade da companhia num negócio avaliado em 6,7 mil milhões de dólares, incluindo a dívida.

David Baazov já detém 17,2% do Amaya, grupo que detém os sites de jogo Pokerstars e Full Tilt, e lançou agora uma oferta para comprar a totalidade da companhia canadiana, avança a Bloomberg esta segunda-feira, 14 de Novembro.

Em Fevereiro, Baazov tinha feito uma proposta pela companhia, que acabou por não avançar. O empresário liderou o grupo até Abril deste ano, até o regulador de mercado do Quebec o acusar de quebra de sigilo por partilha de informação privilegiada. Como consequência, Baazov afastou-se da liderança da companhia.

O grupo Amaya contava com 105,5 milhões de clientes registados no final do terceiro trimestre. Durante este período, registou lucros de 12,5 milhões de dólares, com as receitas a avançarem 9,5% para 271 milhões de dólares.

Em Outubro, o grupo Amaya e a britânica William Hill abandonaram negociações para uma fusão, com o negócio a não avançar por um dos principais investidores da William Hill a opor-se a esta intenção.

O objectivo de David Baazov, e dos investidores que o apoiam é retirar a companhia de bolsa, pois acredita que não lhe trouxe vantagens.

"Apesar do Amaya incorrer nos custos substanciais e escrutínio por estar em bolsa, não obtém benefícios de ser uma companhia cotada", conforme consta no prospecto, citado pela Bloomberg.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub