Telecomunicações Fundo "abutre" avança com plano alternativo para recuperar Oi

Fundo "abutre" avança com plano alternativo para recuperar Oi

Além do interesse na Oi, o Elliott tem diversos investimentos no país, inclusive uma participação na operadora Tim Brasil, estimada em 2,7% no fim de Setembro.
Fundo "abutre" avança com plano alternativo para recuperar Oi
Nacho Doce/Reuters
Lusa 23 de dezembro de 2016 às 15:34
O fundo norte-americano de investimento Elliott Management vai apresentar um plano alternativo para recuperação judicial da operadora Oi em Janeiro, noticia hoje o Valor Económico.

O jornal brasileiro explicou que o fundo Elliott, gerido pelo conhecido investidor e milionário Paul Singer, tem feito contactos com a Oi para esclarecer informações e tem-se reunido com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), responsável pela fiscalização do sector de telecomunicações no Brasil.

Não é a primeira vez que o fundo tenta entrar na operadora brasileira. Em Agosto, o Elliott propôs um investimento em torno de 10 mil milhões de reais (2,9 mil milhões de euros) na operadora, mas as negociações não prosperaram.

Além do interesse na Oi, o Elliott tem diversos investimentos no país, inclusive uma participação na operadora Tim Brasil, estimada em 2,7% no fim de Setembro.

Conhecido como "fundo abutre" por investir em companhias que estão a enfrentar dificuldades financeiras, o Elliott destacou-se internacionalmente ao protagonizar uma disputa por 15 anos com o Governo da Argentina sobre os pagamentos de título de dívidas pendentes.

Esta disputa terminou este ano, quando a Argentina aceitou pagar 2,4 mil milhões de dólares (2,3 mil milhões de euros) ao fundo.

A operadora Oi entrou com um pedido de recuperação judicial em Junho para tentar manter a continuidade do negócio.

A empresa não conseguiu administrar uma dívida com credores que, na época, somava 65,5 mil milhões de reais (cerca de 19 mil milhões de euros).



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub