Banca & Finanças Fundo da Herdade da Comporta já foi vendido

Fundo da Herdade da Comporta já foi vendido

O empresário Pedro Almeida adquiriu 59% do fundo de investimento da Herdade da Comporta. O processo tinha sido iniciado em Setembro do ano passado.
Fundo da Herdade da Comporta já foi vendido
João Paulo Dias

O fundo da Herdade da Comporta, nas mãos da falida Rioforte, já foi alienado. O comprador é o empresário Pedro Almeida. Por vender continua a sociedade que gere as actividades agrícolas da herdade.

 

Ao que o Negócios apurou, a operação passa pela venda de 51% da Herdade da Comporta – Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado (FEIIF). A herdade, que pertencia ao Grupo Espírito Santo, localiza-se no Alentejo, nos concelhos de Alcácer do Sal e Grândola. 

 

O jornal Eco tinha, em Maio, noticiado que Pedro Almeida, ligado ao sector petrolífero, era o empresário posicionado para ser o comprador do fundo. Pedro Almeida é o líder da Ardma SGPS, sociedade ligada ao transporte petrolífero. Contactado, o empresário rejeita ter entrado no processo com parceiros portugueses, recusando uma ideia entretando noticiada inicialmente pelo Negócios.

Pedro Almeida garantiu que a empresa de 59% das unidades de participação do fundo da Comporta, detido pela Rioforte, é feita pela Ardma Imobiliária, do ramo imobiliário da Ardma SGPS. 

Em Maio, a expectativa era, então, que a transacção ficasse concluída no primeiro trimestre do ano, prazo que resvalou por uns dias. Não foi possível apurar o valor a que se concretizou o negócio. 

 

Este foi o segundo processo de venda do fundo, já que o primeiro tinha sido cancelado em Junho de 2015 depois de o Ministério Público ter decretado o arresto de bens do Grupo Espírito Santo. Entre os interessados estavam, nessa altura, os americanos Asher Edelman e o sócio David Storper, da Armory Merchant Holding, que ofereciam 400 milhões de euros pelo fundo e pela sociedade agrícola da Comporta.

 

Em Setembro do ano passado, iniciou-se o segundo processo de alienação da Herdade da Comporta - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado, que gere os projectos turísticos e imobiliários daquele empreendimento. A venda foi desencadeada pela comissão liquidatária da Rioforte, a sociedade do antigo Grupo Espírito Santo que tem uma posição de 57% no fundo, com a PLMJ como assessora jurídica e o Haitong Bank como assessor financeiro.

 

A venda foi lançada "com o acordo das autoridades judiciais portuguesas". Aliás, assim teria de ser já que a justiça nacional não estava a permitir a saída de fundos. Segundo foi já avançado em documentos oficiais pela comissão liquidatária da Rioforte, as receitas ficarão retidas em Portugal.

 

"O produto líquido da venda [do fundo de investimento da Comporta] será depositado numa conta bloqueada pelas autoridades portuguesas", indica o relatório, relativo ao final do ano, dos curadores de insolvência da Rioforte, sociedade através da qual o GES controlava a herdade localizada na costa alentejana. 

 

"Sob as mesmas condições", isto é, com o arresto das receitas obtidas com a transacção, seguirá também a venda das acções da Herdade da Comporta - Actividades Agrosilvícolas e Turísticas, empresa responsável pela área agrícola em que os arrozais são conhecidos. Contudo, esta operação ainda não arrancou.

 

Segundo revelou ao Eco em Maio, Pedro Almeida também pretende adquirir a área agrícola deste negócio. 




(Notícia corrigida às 16:15: Pedro Almeida rejeita que tenha comprado o fundo com parceiros e garante ter feito a aquisição de 59% do fundo através da sua empresa Ardma Imobiliária)




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rui 22.07.2017

Quando disserem que esses 400 milhões são pra pagar aos lesados do BES. Assim poderei acreditar na nossa justiça. Na nossa democracia. No nosso governo. No futuro do nosso país. Mas ainda não disseram pra onde vai o dinheiro. ..

zeca69 11.07.2017

http://www.cmjornal.pt/economia/detalhe/comporta-vendida-por-preco-simbolico?ref=HP_Outros

SALAZAR 11.07.2017

SE METE A PLMJ E O HAITONG DEVE SER VIGARICE PELA CERTA... PORQUE É QUE NÃO VENDERAM AOS AMERICANOS QUANDO ATÉ SE SABIA QUANTO OFERECIAM? QUANTO OFERECEU ESTE PEDRO DE ALMEIDA? NÃO SE SABE. QUEM É ELE? DONDE VEM? QUEM REPRESENTA? TRANSPARÊNCIA PARECE SER NENHUMA... AINDA VOLTA PARA O MESMOVIGARISTA.

SALAZAR 11.07.2017

O ZÉ NABO DEVE TER MUITA ARTE MAS DEVE SER PARA O GAMANÇO. OU NÃO FOSSE NABO. TAMBÉM DEVE TER ESTUDO MAS NUMA DAQUELAS PRIVADAS DE CATEGORIA... TIPO CATÓLICA, LUSÍADA, ETC.

ver mais comentários
pub