Start-ups Fundo de Bono financia start-up que opera na área de investimentos

Fundo de Bono financia start-up que opera na área de investimentos

O líder da banda irlandesa U2 foi um dos fundadores do fundo The Rise Fund. E este veículo prepara-se agora para fazer a sua primeira aposta na área de fintech, investindo numa start-up que opera na área de investimentos.
Fundo de Bono financia start-up que opera na área de investimentos
Bloomberg
Ana Laranjeiro 12 de janeiro de 2018 às 16:19

Bono, líder da banda de música irlandesa U2, co-fundou o The Rise Fund, um veículo de investimento. E este fundo – que conta com Bono e com o empreendedor e empresário britânico Richard Branson no conselho de fundadores - prepara-se para fazer o seu primeiro investimento em fintech, concretamente na Acorns Grow, uma start-up que opera na área de investimentos, avança a Bloomberg, citando fontes.

O montante que este veículo de investimento se prepara para investir não é revelado pela agência. A Acorns Grow é uma start-up que acredita, de acordo com a sua página na internet, "que o dinheiro deve ser uma fonte de capacitação e não de stress". Por isso, dizem, "dão conselhos que podem ser aplicados já – e para o resto da sua vida".

A Acorns Grow já levantou várias rondas de capital tendo inclusivamente recebido investimento da capital de risco Sound Ventures, co-fundada pelo actor norte-americano Ashton Kutcher em 2015.

A Acorns, que nasceu em 2012 na Califórnia (EUA), tem mais de 500 milhões de dólares em activos sob gestão, de acordo com os dados reportados pela empresa à US Securities and Exchange Commission – o equivalente à portuguesa CMVM – e citados pela Bloomberg. O montante médio que cada cliente tem é, ainda assim, muito mais baixo que em outras start-ups de gestão digital de riqueza.

Segundo a agência de informação, os analistas têm-se manifestado cépticos quanto à possibilidade da empresa se tornar rentável face aos montantes aplicados pelos clientes.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar