Empresas Fundo de capital de risco investe 20 milhões em PME portuguesas e húngaras

Fundo de capital de risco investe 20 milhões em PME portuguesas e húngaras

Budapeste anuncia fundo luso-húngaro que "abre nova era nas relações económicas entre os dois países". Gerido pela Alpac Capital, que tem escritórios nas duas capitais, vai canalizar 60% do investimento para Portugal.
Fundo de capital de risco investe 20 milhões em PME portuguesas e húngaras
Bloomberg
António Larguesa 07 de novembro de 2017 às 11:33

Chama-se "East West Venture Capital Fund" e durante os próximos oito anos prevê investir cerca de 20 milhões de euros em pequenas e médias empresas húngaras e portuguesas, com potencial de crescimento e que actuam sobretudo na área das tecnologias de informação e das indústrias inteligentes.

 

A apresentação deste fundo de capital de risco, que arranca as operações nesta quarta-feira, 8 de Novembro, foi feita esta manhã, em Budapeste, pelo ministro húngaro que controla as pastas dos Negócios Estrangeiros e do Comércio, Péter Szijjártó, destacando que este instrumento "abre uma nova era nas relações económicas entre os dois países".

 

Entre os investidores identificados pelas autoridades húngaras estão o Eximbank, o OTP Bank e a companhia petrolífera MOL. As tarefas de gestão serão asseguradas pela Alpac Capital, uma sociedade de capital de risco com escritórios no Dubai, Budapeste e Lisboa, que uma nota oficial divulgada pelo gabinete do primeiro-ministro da Hungria, o controverso Viktor Orbán, destacou estar "registada e regulada pela autoridade de supervisão financeira portuguesa".

O investimento em Portugal deve representar cerca de 60% do capital gerado por este fundo, que o ministro classificou como "único" com o argumento de que vai praticar "uma política de investimento activa, o que significa que, depois de fornecer o financiamento, o fundo vai participar na estrutura de gestão da empresa e ajudá-la a operar com sucesso".

 

Numa declaração atribuída ao Eximbank, a entidade investidora destaca igualmente que este fundo "vai contribuir para reforçar as relações entre os dois países através das empresas participantes" e aponta vantagens mútuas. "As PME húngaras podem ter como vantagem o acesso de Portugal aos mercados ibérico, africano e sul-americano, enquanto as empresas portuguesas poderão aproveitar as relações [privilegiadas] da Hungria com a Europa Central e de leste, com a região do Báltico e com a Ásia Central", detalha a mesma fonte.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub