Telecomunicações Fundo de investimento Virgo comprou mais de 5% da Oi (Correcção)

Fundo de investimento Virgo comprou mais de 5% da Oi (Correcção)

O fundo de investimento controlado pelo banco brasileiro Safra não quer alterar a administração da empresa e que não tem metas definidas para o seu investimento na Oi.
Fundo de investimento Virgo comprou mais de 5% da Oi (Correcção)
Nacho Doce/Reuters
A Oi tem um novo accionista com participação qualificada. O fundo de investimento Virgo brasileiro comprou 11,42% de acções preferenciais da Oi, o que lhe dá acesso a mais de 5% do capital. Controlado pelo banco Safra, adquiriu mais de 18 milhões de acções preferenciais da empresas.

A operação foi anunciada esta sexta-feira, 10 de Fevereiro, em comunicado enviado à CMVM.

O fundo de investimento brasileiro garante que "não pretende alterar o controle da companhia ou sua estrutura administrativa". Mas avisa que "pretende se fazer vale de todos os seus direitos de accionsta para proteger os interesses económicos dos seus clientes". O fundo destaca que "não tem meta pré-estabelecida para seu investimento/participação na companhia".

A Pharol detém uma participação de 27% na brasileira Oi. Na bolsa de Lisboa, a empresa liderada por Palha da Silva está a subir 5,88% para 41,4 cêntimos, continuando a tendência de fortes ganhos que regista desde Dezembro. 

A ex-PT SGPS tem registado recentemente fortes ganhos na bolsa de Lisboa à boleia das notícias relacionadas com a recuperação judicial da Oi.

A Pharol fechou a sessão de quinta-feira a disparar 15,34% para 39,1 cêntimos, o que representa a melhor sessão desde 5 de Setembro de 2016, dia em que terminou o dia a valorizar 17,28%. As acções da companhia já duplicaram de valor desde Dezembro.

Primeiro foi a Orascom, que decidiu alargar a validade da proposta anteriormente apresentada para a recuperação judicial da Oi, que inclui uma OPA de até 1,25 mil milhões de dólares. 

 

Depois foi o acordo conseguido entre a Oi e a Samba, que pôs fim ao "braço-de-ferro" que durou dois anos e que reduz os obstáculos para que a Oi possa vender activos que herdou da PT, incluindo a participação que detém na africana Unitel.

 

Além destes desenvolvimentos, a Pharol revelou que as negociações com os credores estão "a evoluir" e aceitou a possibilidade da conversão de parte da dívida em acções.

 

Entretanto a Bloomberg noticiou que o projecto de mudança da Lei Geral de Telecomunicações aumentaria em cerca de 3 mil milhões de reais (894 milhões de euros) o valor da Oi, segundo a estimativa apresentada pela assessora financeira ao conselho de administração da companhia.

(Correcção: O fundo Vigo comprou 11% de acções prefericiais e não 11% do capital da Oi. A participação no capital é de cerca de 5%)


A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado joaoferreira1 10.02.2017

Pois Tereza...com ZZZZZZZZZ....a subida já cá canta...a queda logo se verá....vais tarde ehehehe

comentários mais recentes
professor 10.02.2017

As subidas consecutivas da Pharol não são por acaso. Está a render-me mais de 25% só nos dois últimos dias... É aproveitar rapidamente para comprar pois com a valorização da Oi não vai parar de subir.

técnico superior 10.02.2017

Entrar na Pharol foi a melhor coisa que fiz em 3 anos de bolsa.
Tem sido 2 semanas seguidas a valorizar e já dupliquei o que investi.
Com notícias tão positivas em torno da Pharol vou reforçar ainda mais o investimento... Não vai parar de subir nas próximas semanas!!!

Anónimo 10.02.2017

A Pharol está a recuperar algum... Vai tendo o poder de ir negociando as opções de compra que detém associadas à dívida da Rio Forte. Tudo correrá bem, desde que a situação que se verifica no Est.do Espírito Santo não se alastre ao resto do Brasil. Esperemos que não! Se não lá se vai a guita...

Anónimo 10.02.2017

Vejam o volume de compras, heheheheh

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub