Banca & Finanças Fundo de Resolução aprova contas do Novo Banco

Fundo de Resolução aprova contas do Novo Banco

O accionista único do Novo Banco acaba de aprovar as contas relativas ao ano passado, em que os prejuízos caíram para 788,3 milhões. Relatório é o primeiro desde 2014 que não apresenta reservas do auditor.
Fundo de Resolução aprova contas do Novo Banco
Sara Matos
Maria João Gago 30 de maio de 2017 às 18:49

O Fundo de Resolução acaba de aprovar as contas do Novo Banco relativas ao ano passado, em assembleia-geral realizada esta terça-feira, 30 de Maio, adiantou fonte oficial da instituição ao Negócios. Em causa estão os primeiros resultados que não suscitaram qualquer reserva por parte dos auditores da instituição, a PwC, desde a criação do banco em 2014.

 

Em 2016, o Novo Banco registou prejuízos de 788,3 milhões de euros, o que representa uma redução de 15,2% face às perdas contabilizadas no exercício anterior. Nas contas de 2015, a PwC levantou uma reserva às contas, relacionada com a incapacidade de avaliar devidamente a exposição da instituição ao Banco Económico, a entidade angolana que sucedeu ao BES Angola. Outro dos alertas estava relacionado com a capacidade de recuperação dos activos por impostos diferidos.

 

Como revelou Sérgio Monteiro, consultor do Banco de Portugal para o processo de venda do Novo Banco, foi o facto de as contas da instituição apresentarem reservas que fez com que a entidade de supervisão deixasse cair a dispersão em bolsa como cenário alternativo à venda directa do banco. Isto porque as regras dos Estados Unidos impedem a realização de uma oferta inicial de venda (IPO, na sigla inglesa) quando as contas das empresas suscitem reservas aos auditores.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 31.05.2017

O factor trabalho, oferecido por pessoas para realizar tarefas, tem de ser imediatamente desalocado assim que a realização dessas tarefas deixa de se justificar por um ano, um mês, um dia ou uma hora que seja. A crise de equidade e sustentabilidade é fruto, podre, da não satisfação dessa regra económica elementar.

António 30.05.2017

Despistar os distraídos.
O banco cheio de prejuízos, quando o separaram do "BES mau" diziam que aquilo ia ser o melhor, a começar pelo seu presidente. Agora para além de termos pago o Bes, ainda vamos ter mais este. Têm ordenados e prémios de encher os bolsos e nós lá pagamos mais um.

Conselheiro de Trump 30.05.2017

Pobre filho quando e rejeitado pels pais.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub