Banca & Finanças Fundo de Resolução quer bancos com palavra nos activos do NB

Fundo de Resolução quer bancos com palavra nos activos do NB

O Fundo de Resolução pretende que a banca tenha “uma palavra” a dizer no mecanismo de controlo da gestão dos activos problemáticos do Novo Banco. Máximo dos Santos diz que estão previstos “instrumentos que vão permitir lidar com a situação”, mesmo sem representantes na administração do banco.
Fundo de Resolução quer bancos com palavra nos activos do NB
Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago 11 de maio de 2017 às 21:42

A banca deverá ter "uma palavra" a dizer no mecanismo de controlo da gestão dos activos problemáticos do Novo Banco. É essa a vontade do Fundo de Resolução, como revelou Luís Máximo dos Santos, líder desta entidade, na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

 

"O Fundo de Resolução quer que o próprio sector, no âmbito do conselho consultivo previsto na lei, tenha uma palavra nesta matéria", adiantou o também administrador do Banco de Portugal.

 

Relativamente às dúvidas levantadas pelo PSD e pelo CDS sobre a capacidade do Fundo de Resolução controlar a gestão dos activos problemáticos do Novo Banco, cujas perdas podem obrigar a entidade pública a fazer injecções de capital de até 3.890 milhões caso seja posto em causa um determinado nível de solidez, Máximo dos Santos garantiu que "há um conjunto de instrumentos que nos vão permitir lidar com esta situação". Isto apesar de, por imposição das autoridades europeias, o Fundo ter ficado impedido de ter representantes na administração do banco.

 

"Vai ser assinado um acordo entre o Fundo de Resolução e o Novo Banco, a partir do momento em que a operação de venda se concretize, que vai definir todos os procedimentos que vão assegurar esse controlo relativo à gestão dos activos", sublinhou, dando exemplos: "Há a comissão de monitorização, restrições aos negócios com partes relacionadas [entidades do universo Lone Star], garantias de acesso à informação e haverá uma palavra a dizer sobre a gestão de crédito e políticas contabilísticas".

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump Há 2 semanas

Secalhar e assim:o bes de entao devia ser o banco mais corpulento a operar em portugal,com a queda dele os outros bancos em vez de irem em auxilio,explodiram de alegria,hoje sao chamados a lamber fridas q nao criaram,talvez por ignorancia bancaria,ou lei feita a pressa.Ainda estao muito longe do fim

pub