Banca & Finanças Fusão de sistemas de pagamentos cria gigante de 10 mil milhões

Fusão de sistemas de pagamentos cria gigante de 10 mil milhões

A combinação de negócios foi preliminarmente acordada entre a norte-americana Vantiv e a britânica Worldpay. Numa fase de transição, a nova companhia terá dois co-CEO.
Fusão de sistemas de pagamentos cria gigante de 10 mil milhões
DR
Paulo Zacarias Gomes 05 de julho de 2017 às 13:19

A maior empresa de processamento de pagamentos do Reino Unido, o Worldpay Group, alcançou um acordo preliminar com a concorrente norte-americana Vantiv, tendo em vista a fusão das duas empresas, num negócio avaliado em 9.100 milhões de libras (cerca de 10.000 milhões de euros, à cotação actual).

Na sequência do acordo, o grupo que combina as duas empresas será liderado por dois CEO – Philip Jansen pela Worldpay e Charles Drucker pela Vantiv - e terá sedes tanto em Londres como em Cincinnati, nos EUA, a partir de onde a Vantiv desenvolve a sua actividade. Jansen deverá mais tarde, segundo o Financial Times, vir a assumir o comando total da empresa.

A britânica Worldpay terá 41% da nova empresa e a oferta feita pelo rival norte-americano (55 pence e 0,0672 acções por cada uma detida) e pressupõe um prémio de 19% em relação ao valor de fecho da sessão de terça-feira.

A Vantiv fechou a sessão de segunda-feira em Nova Iorque a cair 1,31% para 62,51 dólares, enquanto as acções da Worldpay cedem 0,96% para 404,1 pence em Londres, depois da forte valorização – 27,7% - registada na sessão de ontem, perante especulação do desfecho de um negócio com uma concorrente.

A Worldpay conta 400 mil clientes a nível internacional - os serviços dirigem-se a clientes empresariais - proporcionando mais de 300 métodos de pagamentos.

As soluções disponibilizadas pela Vantiv - fundada há 40 anos - vão desde o processamento de cartões de crédito, a soluções de pagamento em loja ou online.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar