Banca & Finanças Fusão entre Popolare e Popolare di Milano cria terceiro maior banco de Itália

Fusão entre Popolare e Popolare di Milano cria terceiro maior banco de Itália

As assembleias-gerais do Banco Popolare e Banca Popolare di Milano (BPM) aprovaram este sábado a fusão das duas instituições, dando origem a partir de 1 de Janeiro de 2017 ao terceiro grupo bancário na Itália.
Fusão entre Popolare e Popolare di Milano cria terceiro maior banco de Itália
Lusa 15 de Outubro de 2016 às 18:33

O grupo financeiro que surgirá da fusão entre estes dois bancos aparece, após o Unicredit e o Intesa Sanpaolo, também se terem fundido, e vai contar com activos de 171.000 milhões de euros.

O novo grupo bancário terá quatro milhões de clientes, 2.467 filiais, 25.000 empregados, uma quota de mercado superior a 8% e uma presença muito significativa nas regiões da Lombardia, Veneto e Piamonte, no norte de Itália.


Trata-se da primeira fusão entre bancos na Europa, após o Banco Central Europeu (BCE) ter assumido a supervisão e controlo dos bancos europeus.

O novo banco será conhecido por Banco-BPM, terá sede social em Milão e administração trabalhará na cidade de Verona.


Os acionistas do Banco Popolare deterão 54% do seu capital, enquanto os acionistas do BPM controlarão a restante percentagem do capital do grupo financeiro.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Dois afogados darem a mao pode ser a salvacao.Alertei em tempo oportuno o mesmo para portugal,acharam que nao,pelos vistos tiveram razao.

pub